Em nota, Sindicato dos Médicos anuncia greve no dia 21 em Curitiba

* Médicos vão cruzar os braços a partir do dia 21 de novembro

O Sindicato dos Médicos no Estado do Paraná vem a público reiterar o que os médicos e o próprio Sindicato já vêm alertando há mais de um ano: os profissionais de saúde que trabalham nos Centros Municipais de Urgências Médicas de Curitiba estão expostos a situações de violência nos locais de trabalho; violência essa resultante da revolta da população que espera horas por atendimento médico.

Desta vez, um incidente foi registrado por uma emissora de televisão, a RPC TV, em matéria que foi ao ar nesta manhã no telejornal Bom Dia Paraná.

O fato aconteceu na unidade do CMUM do Sítio Cercado. O SIMEPAR vem denunciando há semanas a constante falta de médicos nessa unidade.

Ao atender a reportagem, o coordenador da unidade de urgência e emergência confirmou outra situação que o Sindicato também vem alertando: diversos pacientes não são de urgência e emergência e deveriam ser consultados em unidades básicas de saúde, mas essas unidades oferecem um número limitado de consultas não suprindo a demanda.

Após o incidente, os profissionais de apoio pararam o trabalho por uma hora, e os médicos só estão atendendo os casos de urgência e emergência. Durante a manhã de hoje, segundo relato de um médico que está na unidade trabalhando, estão faltando três médicos na escala.

Nas outras unidades há relatos semelhantes. As escalas dos médicos muitas vezes ficam incompletas e as filas chegam a seis horas. Os médicos estão desde o ano passado tentando negociar melhores condições de remuneração e de trabalho, sem serem atendidos. Como as negociações não avançam, os médicos decidiram entrar em greve a partir do dia 21 de novembro.

O SIMEPAR defende o reforço no atendimento nas unidades básicas de saúde e na estratégia de saúde da família. Essa medidas, de atenção básica, diminuem a demanda por atendimento de emergência, pois as enfermidades são tratadas na origem, e de maneira contínuada. Também é necessário o reforço no atendimentos nos municípios da região metropolitana.

Somente com remuneração justa e condições de trabalho adequadas, os profissionais de saúde porderão prestar o atendimento que a população precisa e merece.

Mario Antonio Ferrari
Diretor Presidente do SIMEPAR

Comentários encerrados.