Demissão de comandante da PM amplia crise na Segurança do governo Richa

O governador Beto Richa (PSDB) anunciou hoje a troca no comando geral da Polícia Militar do Paraná (PMPR), como havia antecipado este blog na quarta-feira (23). Saiu o coronel Marcos Scheremeta e assumiu o também coronel Roberson Bondaruk.

Longe de estancar a crise na Segurança Pública, os bastidores dessa substituição estão recheados de indagações ainda sem respostas e de críticas entre membros do 1!º escalão do governo tucano.

Uma fonte do Palácio das Araucárias disse que Richa chamou na chincha esta tarde o ex-procurador do Estado, Ivan Bonilha, atual conselheiro do Tribunal de Contas (TCE), que teria apadrinhado a indicação de Scheremeta e o secretário da Segurança, Reinaldo de Almeida César, nos respectivos cargos.

A crise se aprofundou nesta sexta por causa de um suposto vídeo registrando um jantar entre o ex-comandante da PM e um bicheiro, segundo os palacianos. O material seria exibido no próximo domingo num programa de TV em rede nacional. Por isso o Deus nos acuda.

O ex-comandante da PM nega envolvimento com atividades ilegais, mas admitiu em entrevista que seu pai, morto há três anos, era dono de uma lotérica que vendia o jogo do bicho.

Beto Richa apareceu em público nesta tarde para colocar panos quentes na crise. Disse que Scheremeta é um amigo, saiu por problemas particulares, não foi uma queda!.

Mas foi o próprio demitido quem desmentiu essa versão ao afirmar que a exoneração ocorreu em virtude de divergências sobre o uso do Hospital da Polícia Militar por servidores públicos civis. Scheremeta chorou durante uma entrevista coletiva.

Você acha que a crise parou por aí? Que nada. Na segunda-feira (27), uma penca de coronéis está planejando divulgar uma carta de demissão coletiva em solidariedade a Scheremeta e contra o secretário da Segurança. Durma-se com um barulho desse.

Comentários encerrados.