CRISE NA SAÚDE: Sindicato dos Médicos contesta o médico Luciano Ducci

O Sindicato dos Médicos no Estado do Paraná (SIMEPAR), através de nota oficial, manifestou insatisfação em relação à s declarações do prefeito de Curitiba, o também médico Luciano Ducci (PSB), que, em entrevista à  Rádio Banda B, culpou os médicos pela demora no atendimento aos pacientes nos Centros Municipais de Urgência Médicas de Curitiba.

Segundo Ducci, os problemas seriam causados pelos médicos que faltam ou saem mais cedo e não avisam!. Tal declaração é uma agressão à  categoria médica que não pode ser culpada por problemas da gestão e de falta de recursos para a da saúde.

O SIMEPAR, diz a nota, juntamente com os médicos que trabalham nos CMUM”s, vem há mais de um ano alertando as autoridades, entre elas o poder executivo municipal, sobre as condições precárias de trabalho e sobre a falta de segurança vivenciadas não somente pelos médicos, mas por todos os profissionais dos CMUM”s.

“Alertamos também para as escalas incompletas de médicos, havendo casos em que o mesmo profissional figurava como responsável por mais de um setor, como se fosse possível para um médico atender a dois pacientes ao mesmo tempo. Alertamos que a falta de médicos era decorrência direta dos baixos salários e das péssimas condições de trabalho. Enfim, muitos médicos simplesmente não aceitam trabalhar nestas condições.

Desde o início do processo reivindicatório, em outubro de 2010, o SIMEPAR e os médicos em todos os momentos buscaram a negociação, sempre com o objetivo de proporcionar condições dignas de trabalho aos profissionais e um atendimento de qualidade à  população. A categoria decidiu pela greve por duas vezes e, suspendeu ambas as paralisações ao vislumbrar possibilidades de avanço e de negociação.

Há poucos dias, a Secretaria Municipal de Saúde, reconhecendo que o sistema de contratação dos médicos através da terceirização estava insustentável por diversos motivos, propôs a contratação dos médicos através de uma fundação municipal, possibilidade que o Sindicato dos Médicos considera um grande avanço no sentido de corrigir as distorções e melhorar a gestão da saúde no atendimento a urgência e emergência.

Por tudo isso, a direção do SIMEPAR considera que as declarações do prefeito foram equivocadas e confia no respeito dos gestores municipais pelos profissionais médicos. Se existem falhas no exercício profissional, os empregadores devem aplicar as sanções cabíveis em cada caso, sempre observando o código de ética médica e a legislação vigente. Culpar todos pelas possíveis falhas de alguns é injusto e não contribui para o bom relacionamento entre gestores e profissionais da saúde.”

4 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Não acho que o Ducci esteja fazendo um bom governo, até pela herança que recebeu.
    Porém nesse caso ele tem razão. Convivo diariamente na administração privada destas unidades e o que tem de médico dando atestado para colegas é uma grandeza. Não é possível manter a equipe contratada nunca. O afastamento via de regra serve para esse profissional trabalhar na região metropolitana no mesmo período. Já teve até demissão por justa causa por esse motivo, mas é de dificil comprovação.
    Por outro lado, esse é um movimento político e se arrasta a muito tempo, seguramente desde o inicio de 2010 com o objetivo de afastar as empresas privadas e os médicos serem contratados por concurso. E todos sabemos do que são capazes médicos concursados. Vão atender 20% do que atendem hoje.

    • O Ducci foi infeliz em suas declarações em culpar os médicos pela falta de gestão do serviço pública na área de saúde.
      Todos sabemos que os problemas na saúde são o baixo investimento do governo. Basta ver as estatísticas da OMS para avaliação de aplicações do PIB em saúde ao redor do mundo, perdemos para países da África, América Latina e Ásia, apesar de sermos a Oitava Economia do Mundo.
      Prefere-se aplicar em estádios e grandes obras (pão e circo), assim pode-se desviar milhões para os bolsos corruptos das grandes licitações fraudulentas de empreiteiros e políticos.
      O senhor da iniciativa privada também está equivocado em sua análise, pois sabe muito bem que a iniciativa privada apenas tem por objetivo o lucro e portanto jamais assumiria o ônus de atender a parte pobre da nossa população brasileira que não tem condições de arcar com planos de saúde ou atendimento particular, logo cabe ao Estado se responsabilizar, haja vista o alto encargo tributário a que nosso povo encontra-se submetido.
      Mas onde encontra-se a contrapartida dos altas taxa públicas e impostos? Onde deveríamos ter hospitais e leitos disponíveis, escolas públicas de ensino fundamental e médio de primeiro mundo, segurança pública civilizada, justiça ágil e eficiente, sistema carcerário modelo. Além, claro de policiais, professores, médicos e funcionários públicos dignamente remunerados e motivados por carreiras públicas incentivadoras.
      Que obviamente não seriam atendidos por uma iniciativa privada que interessa-se apenas pelo lucro e a concorrência desumana de mercado, doa a quem doer, claro em alto e bom som: sem falsas demagogias!
      Logo é óbvio que possíveis faltas e atrasos são pontuais e devido a problemas pessoais emergenciais e à desmotivação devido aos baixos salários e péssimas condições de trabalho ao qual os trabalhadores do serviço público, em geral são submetidos.

  2. quero ver em 2013 o luciano ducci clinicar nos postos de saúde, pois ele é médico de carreira. e tenho a certeza que o novo prefeito cuidará da saúde bem melhor que o ducci.

  3. Esmael, procure maiores informações sobre a decoração de Natal da Rua XV que está sendo paga pela Inst. de Turismo administradpo pela “esperta”Juliana Wosnika, cujo pai foi diretor do Banestado do Lerner e está todo encrencrencado com a PF e MPF.
    Voltando ao Natal verás que o valor é bem grande. Enquanto isso os vereadores ëspertos”ficam só preocupados com o desvio do Derosso e esquecem outros na cidade!