Censura no PR: Bernardo acusa Richa de politizar TV estatal

por Marli Lima, do Valor

Um episódio que aconteceu no lançamento do projeto de metrô em Curitiba, em outubro, ampliou a tensão entre petistas e tucanos e deve ter desdobramentos futuros nas eleições municipais do próximo ano e a estadual de 2014, disputa que o PT reserva à  ministra com gabinete mais próximo da presidente Dilma Rousseff, a titular da Casa Civil, Gleisi Hoffmann.

Quem assumiu a dianteira da queda de braço com o governador paranaense, Beto Richa, foi o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, marido de Gleisi. O ministro solicitou uma análise da transmissão do anúncio de liberação de recursos federais para as obras pela estatal de televisão e-Paraná, no qual mais da metade do discurso de Dilma foi cortado. A análise ficará pronta apenas em dezembro mas Bernardo já classificou o fato como grave.

Depois de transmitir na íntegra os discursos do prefeito de Curitiba, Luciano Ducci (PSB), e de Richa, a e-Paraná colocou no ar o programa infantil Cocoricó, antes de retornar para a fala de Dilma. A presidente do PT de Curitiba, Roseli Isidoro, classificou o ocorrido como “conduta desrespeitosa e antidemocrática” e acionou o Ministério das Comunicações.

Após nota da direção da e-Paraná, que disse não ter recebido “orientação superior” para cortar o discurso, que a decisão foi tomada “em função do tempo disponível na grade de programação” e que foram constatadas falhas técnicas na transmissão, o assunto era dado como encerrado pelo PSDB. Mas em visita a Curitiba na semana passada, na qual fez o recadastramento biométrico do título de eleitor, Paulo Bernardo, que estava acompanhado de Gleisi, voltou a falar no assunto.

“O que nós temos observado é que essas emissoras não são, na verdade, tevês educativas. Acabam sendo usadas para a veiculação de mensagens do governo”, disse, em entrevista à  CBN. “Não é só no Paraná e não é de hoje. Todo mundo sabe disso”, completou. “A presidenta não merecia isso”. Gleisi não se expõe na briga. Procurada pelo Valor, não comentou o assunto.

Richa disse estar “com a consciência tranquila” e surpreso com a possibilidade de o ministro levar o caso adiante. “Eu elogio a presidente da República, reconheço a boa parceria e os investimentos que acontecem no meu Estado, publicamente, em emissoras que têm audiência infinitamente maior que a nossa [TV] Educativa”, comentou. “Não faz sentido, como alguns tentaram aventar, um boicote a ela na [TV] Educativa e eu de viva voz estar elogiando a presidente na Globo, no SBT, na Record, na Bandeirantes.”

O imbróglio acontece no mesmo momento em que surgem discussões sobre as eleições do próximo ano. No dia 17, o PT de Curitiba abriu oficialmente a agenda para 2012, com a definição de calendário. O partido vai apresentar até 30 de março sua proposta de aliança ou de candidatura própria. Há um grupo se movimentando para o lançamento de alguém do PT à  prefeitura e três nomes estão na disputa – Angelo Vanhoni, Doutor Rosinha e Tadeu Veneri. Mas não está descartada a possibilidade de união com partidos da base de apoio de Dilma, como o PDT, que cogita lançar o ex-tucano Gustavo Fruet, e o PSC, que tem Ratinho Júnior como nome mais forte. Unidos, esses partidos enfrentariam a reeleição de Ducci, que tem o apoio de Richa. A capital é um reduto importante para o projeto de reeleição do governador em 2014, quando pode vir a enfrentar Gleisi.

Com o pedido do PT, a verificação de conteúdo da tevê estatal do Paraná foi antecipada e ela será feita com base no que foi ao ar no dia 13 de outubro, “por economia de trabalho”, informou o secretário de comunicação eletrônica do Ministério das Comunicações, Genildo Lins. Segundo ele, há um plano para análise de transmissões de tevês públicas e privadas e o trabalho, “de rotina”, começou em junho por Brasília e São Paulo. “Prefiro esperar”, disse Lins, ao ser questionado sobre a denúncia, que tem dois meses para ser analisada. O trabalho está sendo feito por um técnico. Se for provada alguma irregularidade, a e-Paraná poderá ser punida com multa, suspensão ou cassação de licença.

Richa contesta as críticas à  estatal. “O ministro pode fazer o que quiser”, diz, “mas deviam ter mexido na [TV] Educativa do governo anterior”. Ele refere-se ao período em que o Paraná foi governado por Roberto Requião (PMDB), que transmitia toda semana reunião da equipe de governo. “Daí sim, era uso político, inclusive para agredir adversário.”

Em nota de repúdio distribuída pelo PT de Curitiba, Roseli diz que a “Prefeitura de Curitiba e o governo do Paraná fizeram de tudo ao seu alcance para apagar o brilho de uma festa que deveria celebrar a conquista popular”. Ela reclamou do espaço destinado ao evento, que limitou o acesso a convidados e que tinha goteiras de chuva. A prefeitura informou que o local foi escolhido pela Presidência da República.

4 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. O que se está reclamando é a censura de uma TV que tem concessão pública, portanto está correto o Ministro, deve punir mesmo os responsáveis por esse absurdo. Senhor Beto Richa ao que me consta o governo anterior não censurou ninguém e é esse o debate em questão, portanto não fuja do assunto governador mauricinho.

  2. Então agora quem criticava o governo anterior tem moral para continuar o uso tendencioso da TV financiada com dinheiro público?
    Não entendi a crítica. Pelo que você fala, é a lógica do “Ele fazia errado, eu sei, mas agora eu que mando e vou fazer também!”
    O que mais me impressiona é, ainda, que o Beto foi eleito com o mote “NOVO PARANÁ”….Esse é o “Novo Paraná”???

  3. Putz.. agora fiquei na dúvida: No governo passado a TVE não direcionava sua programação???
    Há, mas é que nesta época o blog não existia. Por isto nunca protestou. E o PB era ministro do planejamento e habituê da programação, então não tinha que reclamar tbém né.
    Hummm entendi!

  4. Cadê a lei de medyos Bernardo?