Caso Lupi: governo vai se comportar como poodle da mídia golpista?

O Partido da Imprensa Golpista (PIG) intensificou nesta semana blitzkrieg em cima do ministro do Trabalho, Carlos Lupi. Tão logo conseguiu derrubar o ex-titular do Esporte, Orlando Silva, do PCdoB, partiu ensandecido para destituir o pedetista do cargo. Nas palavras de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), é para desmantelar o sistema de corrupção e de fisiologismo criado ao longo do segundo mandato do ex-presidente petista Luiz Inácio Lula da Silva!.

A mídia golpista não apresenta provas contra Lupi, como também não apresentou contra Orlando Silva. Ela mesma cria versões de denúncias que vão se transmutando ao longo dos dias e das semanas, de acordo com as conveniências e conjunturas.

No caso Lupi, o PIG apegou-se primeiro ao fato de que o ministro teria voado num jato do dono da ONG pró-Cerrado, Adair Meira. O próprio empresário-ongueiro desmentiu que fosse proprietário do avião King Air usado pelo pedetista em viagem pelo Maranhão em 2009. Que isso importa? Para a mídia, nada. O que vale é derrubar mais um ministro ligado ao ex-presidente Lula e, de quebra, atingir o governo da presidenta Dilma Rousseff.

Orlando Silva caiu mesmo sem provas. Pesou contra ele a relação política com Lula, o bicho-papão que o partido mídia preconceituosa tanto teme. Aliás, os supostos malfeitos! cantados em verso e prosa pelo denuncismo da guardiã da moral e da ética! são logo esquecidos, tão logo um ministro é sacado do cargo. O que importa é derrubar o ministro, nada mais.

Eu já disse em outras oportunidades que o governo Dilma foi sequestrado por uma lógica perversa da mídia. Há quem tenha caído nessa armadilha, entusiasmado com os bons índices! nas pesquisas de opinião. Guia-se, portanto, ao sabor do vento e da conjuntura. E quando o PIG virar o canhão contra a própria presidenta? Quem vai defendê-la?

A questão central é a seguinte: o governo vai se comportar como poodle da mídia golpista diante desses ataques a Lupi?

Até os plânctons da Bacia de Campos, mesmo atordoados pelo vazamento de petróleo da companhia norte-americana Chevron, sabem que há uma lista de ministros na fila do linchamento midiático.

Os ataques ao governo de Dilma vão parar? Não. A guerra promovida pela mídia é política e ideológica. Só terminará quando puser fim ao lulopetismo! que ousa fazer distribuição de renda e incluir milhões de pobres na cadeia de consumo.

6 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Parabéns Esmael pelo texto, voce está fazendo o que o próprio governo deveria estar fazendo, não dar moleza ao pessoal do PIG que favorece a oposição.
    Também já pensei sobre esse “estelionato moral” eles depois vão querer partir para a destituição da presidenta alegando que o governo dela só tem corruptos.

  2. É verdade que o Lupi tem problemas no seu Ministério, mas o objetivo do PIG é rotular o governo Dilma como um ninho de corrupção e dessa forma jogar a opinião pública (geralmente muito mal informada) contra o governo e os seus aliados. Assim o PIG pretende ir sangrando a Dilma até 2014, dando ao mesmo tempo munição para o candidato dos tucanos.

  3. Caro blogueiro, pode ser que o PIG trabalhe contra o governo do PT mas o dignissimo Sr. Ministro ta devendo e muito não da para ver so uma face dos fatos e ser parcial.

  4. ô Esmael, pera lá. Uma coisa é a sanha da pig contra o governo do PT, até concordo. Outra é o cara mentir para o Congresso Nacional. Se isso for verdade, esqueça qualquer luta ideológica, tem que rifar o cara mesmo. Cuidado com as lentes pelas quais se vê o mundo, elas podem distorcê-lo!!!!!!!.

  5. Prezado Esmael, para contribuir com o debate incluo texto que circula na Rede PDT, de autoria de Antonio Santos Aquino:

    Quando Lupi foi escolhido pela Executiva do partido para ser o candidato a ministro (teria que ser aceito por Lula), ficou uma interrogação na cabeça de Miro Teixeira. Por que foi preterido? Qual o argumento que prevaleceu? A justificativa foi de que Miro, para não ser expulso por Brizola do PDT, tinha saido e se filiado ao PT. Depois, com a morte de Brizola, voltou ao partido. Esta foi a razão de não ter sido escolhido. A escolha ficou então entre Lupi e Manoel Dias, secretário do PDT; Lupi foi escolhido. Logo a seguir apareceu nas instâncias do governo a denúncia, não da imprensa, de que os diplomas de Lupi eram fajutos. Diziam também que Lupi era mal casado (corno) e homossexual. O governo naturalmente mandou ver nos colégios se os diplomas apresentados por Lupi eram verdadeiros. Aproveitaram para vasculhar sua vida pessoal; as denúncias não se confirmaram. Nem os diplomas eram fajutos e nem Lupi era homossexual ou corno.

    Veio o segundo capítulo: Lupi queria assumir o Ministério do Trabalho sem deixar a presidência do PDT, acumulando os dois cargos. Querendo manter um pé de apoio, pela incógnita do cargo de ministro, “endureceu” dizendo que não abandonaria a presidência do PDT; fez até uma bravata. Lula já tinha pensado em “desnomeá-lo”, mas preferiu mandá-lo conversar com o ministro Sepulveda Pertence, presidente do Conselho de Ética. O ministro foi taxativo: o senhor não pode permanecer ministro sendo presidente de partido. Sugeriu então que ele se licenciasse. Assim foi feito. Algum tempo depois estoura uma denúcia sobre o Paulinho da Força Sindical, e falavam alguma coisa sobre o Lupi. Casualmente, passo no partido e encontro na entrada o ministro Lupi. Ao me ver, fala comigo e aproveito para dizer-lhe na frente de uns três companheiros: “Lupi acho você muito ingênuo para lidar com essa gente, cuidado que vão botar muitas cascas de banana no teu caminho. E, se você escorregar, vais levar junto o partido”.

    Lupi não gostou e respondeu: “Você fala isso porque é radical, mas a política na prática não é como você pensa”. Depois lhe escrevi carta fazendo alerta sobre o que falavam aqui no Rio de Janeiro, sugerindo algumas atitudes, e dei até um “conselho privado”. No dia 13/10/2011, Lupi veio a uma reunião no partido e falou rapidamnte comigo dizendo: “Li tua carta, mas não fica impressionado, porque a política é assim. Nem sempre o que falam é verdade. Eu estou firme”. O terceiro capítulo é o que a mídia está escancarando. Só falta o epílogo. Façam apostas, senhores.