Anistia critica operação policial que provocou a morte de um cinegrafista e mais quatro pessoas

da BBC Brasil

A organização não governamental (ONG) Anistia Internacional criticou a operação da Polícia Militar (PM) do Rio de Janeiro na Favela Antares (em Santa Cruz, zona oreste), que provocou a morte de pelo menos cinco pessoas, entre elas o cinegrafista Gelson Domingos da Silva, que estava fazendo a cobertura jornalística da ação. A PM disse que a missão dos policiais era checar informações de que líderes do tráfico de drogas, fortemente armados, estavam reunidos na favela.

“Nesse caso, em particular, o que aconteceu foi uma tragédia”, disse o representante da entidade para Assuntos Relacionados ao Brasil, Patrick Wilcken. “A Anistia critica essas operações militarizadas no Rio, onde a polícia invade uma comunidade. Isso põe em risco a vida de pessoas da comunidade e, também, de jornalistas.”

Wilcken ressaltou que o tipo de operação gera violência desproporcional sobre as comunidades mais pobres. Em relação à  morte do cinegrafista Gelson Domingos da Silva, da TV Brasil e da TV Band, ele disse que esse tipo de cobertura jornalística é “intrinsecamente perigosa”.

Silva foi alvejado por um tiro de fuzil enquanto gravava um tiroteio entre polícia e traficantes. Apesar de estar vestido com um colete à  prova de balas, o equipamento não era resistente a tiros de fuzil. O representante da Anistia disse desconhecer os detalhes da morte do cinegrafista, mas ressaltou que cabe à s empresas jornalísticas fazer tudo que puderem para proteger os funcionários.

Em nota, o Sindicato dos Jornalistas do Rio de Janeiro classificou como “pífio” o tipo de colete à  prova de balas fornecido aos jornalistas em operações de risco. A entidade também cobrou que o Grupo Bandeirantes auxilie financeiramente a família do cinegrafista.

A TV Band divulgou uma nota em resposta ao sindicato na qual informa que o colete usado por seus repórteres é do modelo “de maior capacidade de proteção liberado pelas Forças Armadas para utilização por civis”. A emissora também disse que profissionais que atuam em situações de risco têm contratos de seguro diferenciado.

A operação na Favela Antares acabou apenas na manhã de hoje com cinco mortos e nove pessoas presas. Foram apreendidos um fuzil, três pistolas, cinco rádios, drogas e 10 motocicletas. Segundo a PM, entre os presos estão o gerente do tráfico local, Renato José Soares, conhecido como BBC, e o braço-direito dele, Leandro Ferreira de Araújo, conhecido como China.

3 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. INFELIZMENTE QUEM TÁ NO FOGO TEM QUE SABER QUE VAI SE QUEIMAR….

  2. DEIXA DE SER MANÉ..NÃO ÉRA O TEU ;;;QUE TAVA NA RETA É FÁCIL CRITICAR NÉEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE

  3. também fazer da miseria humana espetáculo infelizmente dá nisso.