5 de novembro de 2011
por esmael
1 Comentário

Aliados de Marta anunciam apoio à  pré-candidatura de Haddad em SP

da Folha.com

Aliados da senadora Marta Suplicy (PT-SP) seleram neste sábado apoio à  pré-candidatura do ministro Fernando Haddad (Educação) à  Prefeitura de São Paulo. As eleições ocorrem no ano que vem.

Eles também defenderam que não ocorram prévias para a escolha do nome do partido, mesma intenção do ministro.

Disputam a indicação ainda os deputados federais Carlos Zarattini e Jilmar Tatto e o senador Eduardo Suplicy.

Marta anunciou desistência da disputa na última quinta-feira, a pedido da presidente Dilma Rousseff. Haddad é o nome preferido de Dilma e do ex-presidente Lula.

O deputado federal Cândido Vaccarezza, que apoiava Marta, disse que os martistas, que fecharam apoio em almoço em um restaurante dos Jardins (bairro nobre de SP), estiveram “coletivamente com Marta e agora estão coletivamente com Haddad”.

Ele disse que seu grupo vai trabalhar para unificar o partido e para que não haja prévias. “Desejamos evitá-las”, disse.

Vaccarezza e o deputado federal José Mentor, outro ex-apoiador de Marta, disse que o apoio a Haddad foi “incondicional” e que não se discutiu espaço para os martistas na coordenação da campanha. Na saída do almoço, porém, o ministro disse que vai incluir o grupo da senadora em sua cúpula.

Os martistas disseram que caberá apenas ao ministro buscar o apoio direto da senadora, que não definiu seu preferido quando anunciou sua desistência. Um deles, disse, porém, que o apoio declarado do grupo martistas é um “sintoma forte” de qual será a escolha de Marta.

Haddad disse que deve se encontrar com Marta a partir de segunda-feira, em B

5 de novembro de 2011
por esmael
4 Comentários

Câmara de Curitiba é a mais inchada! de cargos políticos

via Gazeta do Povo

Dentre os maiores legislativos municipais do Paraná, a Câmara de Curitiba ocupa o primeiro lugar na relação entre quantidade de funcionários comissionados e a de servidores efetivos. Do quadro de 778 funcionários, 550 têm cargos em comissão (70,7%) e 228 são concursados efetivados (29,3%). Nas outras câmaras das grandes cidades paranaenses, a proporção é de de 65,6% em Londrina; de 65,2% em Ponta Grossa; e de 63,4% em Maringá (antes da exoneração de ontem).

O presidente da Câmara de Curitiba, João Claudio Derosso (PSDB), diz que a Casa tem 38 verea!­!­dores e cada um pode nomear 11 comissionados. São mais de 400 cargos só das indicações dos parlamentares. Depois temos os funcionários de confiança da presidência e das secretarias!, explica ele. Defendemos a tese de que a câmara tem a função política e administrativa. A função administrativa é exercida por concursados. Já a função política tem de ser com pessoas nomeadas. Parece ser muita gente, mas estamos dentro da lei.!

No caso de Maringá, o presidente da Casa, Mário Hossokawa, disse que acatou a exigência do MP e está demitindo gradativamente os comissionados para que haja um equilíbrio na estrutura da Casa !“ ou seja, para que a proporção seja de 50% de efetivos e 50% de comissionados. Lei a gente não contesta e, se o MP entende que é irregular, tenho de cumprir meu papel e demitir.!

5 de novembro de 2011
por esmael
3 Comentários

Decisão do STF ameaça comissionados em todo o país

por Fábio Guillen, via Gazeta Maringá

Uma decisão recente do Supremo Tribunal Federal (STF) ameaça levar à  demissão em massa de servidores comissionados de câmaras municipais de todo o país. O STF entendeu que a Câmara de Blumenau, em Santa Catarina, não poderia ter mais funcionários em comissão, de livre nomeação, do que servidores efetivos concursados. A sentença criou jurisprudência para ações que exijam a demissão do excesso de comissionados nas câmaras. O tolerável, segundo a interpretação da sentença do Supremo, seria uma quantidade igual de servidores comissionados e efetivos !“ o que não ocorre em grande parte dos legislativos municipais.

Com base na decisão do STF, o Ministério Público Estadual do Paraná (MP) exigiu a demissão de 44 comissionados da Câmara de Maringá. Vinte e um foram demitidos ontem pelo presidente da Casa, vereador Mário Hossokawa (PMDB). O Legislativo maringaense tinha até ontem 104 comissionados e 60 efetivos.

A medida, em tese, pode vir a ser exigida de câmara de outras grandes cidades do estado !“ como as de Curitiba, Londrina e Ponta Grossa. Todas elas têm mais comissionados do que efetivos. Segundo levantamento feito pela Gazeta do Povo, em Curitiba, Londrina e Maringá, o número de funcionários nomeados pelos próprios verea!­!­dores, sem concurso, é quase o dobro dos servidores efetivos.