Sarney considera “injusta” crítica em show do Rock in Rio; reveja o vídeo

via Agência Estado

O presidente do Senado Federal, José Sarney (PMDB-AP), classificou hoje como “injusta” a crítica feita contra ele pelo vocalista da banda Capital Inicial, Dinho Ouro Preto, durante o Rock in Rio 2011. Durante a sua apresentação, o músico defendeu a liberdade de imprensa e questionou a proibição judicial que impede o jornal Estado de publicar informações sobre a Operação Boi Barrica, da Polícia Federal, que investiga o empresário Fernando Sarney, filho do senador. Em entrevista exclusiva ao jornal “Zero Hora”, o presidente do Senado Federal lembrou que o rock tem como característica a contestação, mas defendeu-se das críticas feitas pelo músico.

“O rock é um estilo que tem o DNA da contestação, sempre foi marcado pelo questionamento. à‰ compreensível que em um festival de rock tivesse uma manifestação desse tipo”, lembrou o peemedebista. “No entanto, a crítica foi injusta. No meu governo, contribuiu-se para a maior liberdade de expressão que já tivemos no País. A cultura e as artes devem ser livres. Podem ser injustas, mas não podem deixar de ser livres”, ponderou. Na entrevista ao jornal “Zero Hora”, o senador afirmou ainda que seu filho tinha o direito de recorrer judicialmente contra o jornal, mas acrescentou que, se tivesse sido consultado pelos advogados, não teria feito o mesmo.

“Embora ele tivesse o direito de recorrer à  Justiça, no dia que ingressou com a ação lancei uma nota afirmando que se tivesse sido consultado pelo advogado não teria aceito”, afirmou. O senador ressaltou ainda que, durante a ditadura militar, defendeu o veículo de imprensa e que, durante a sua vida pública, nunca processou um jornalista, “mesmo tendo sido um dos políticos mais censurados da história da República”. “A minha voz foi solitária dentro do Congresso Nacional em um discurso defendendo o Estadão e a liberdade de imprensa, arriscando meu próprio mandato”, disse.

1 Comentário

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. só vamos começar a mudar esse país quando o congresso brasileiro acabar com a reeeleição chega de sarnei e companhia