Por Esmael Morais

ONG acusada pelo Fantástico dá aula de transparência na Fundação Roberto Marinho

Publicado em 17/10/2011

Ora, para ser “suspeita” que merecesse uma reportagem destas, o Fantástico tinha que mostrar pelo menos:

– ou que a ONG fosse fantasma (não atendesse o que promete);
– ou que outras empresas fornecedoras de lanches concorrentes vendiam mais barato (não mostrou);
– ou que o valor do convênio era acima do normal pelo número de crianças atendidas;
– ou que as empresas eram fantasmas (a reportagem paga o mico da ver a ONG e as empresas funcionando, com documentação em ordem e mostrando ao repórter até os estoques).
– enfim, teria que mostrar algum ilícito de fato, que o programa não mostrou. Pelo contrário, a reportagem praticamente confirma que tudo funciona regularmente.

No final das contas, para dar o clima de suspeição, levou cenas de um funcionário que não queria dar entrevistas (no final acabou falando ao repórter). Ora, tem milhares de pessoas que não dão entrevista para a Globo porque não gostam da Globo, porque ela deturpa, e não porque é culpado de alguma coisa.

Na falta de material para denunciar, a Globo chegou até a implicar com um carro (que não é de luxo) usado por Karina por que não está em seu nome, e com a casa de classe média, normal, do dono da empresa fornecedora de lanches.

Curioso que a Globo “nunca suspeitou” das mansões de Ricardo Teixeira (nunca mostradas na emissora).

A única coisa de fato que deixou dúvidas na reportagem foi se realmente a ONG de Karina atende o número de crianças previstas no convênio, mesmo assim a reportagem só cita um caso, onde deveria haver 300 alunos em atividade e contaram 146 no dia 7 de outubro. Para a TV, que disse ter passado “um mês investigando”, não custava conferir pelo menos uma das outras 17 cidades onde a ONG atua (nenhuma tem prefeito do PCdoB, e algumas tem do PSDB, PPS e até DEM).

E quanto a não cumprir 100% das metas, a Globo está devendo fazer o mesmo com a sua ONG, a Fundação Roberto Marinho, que recebeu R$ 17 milhões do Ministério do Turismo para treinar 80 mil pessoas em idiomas e parece que só treinou uns gatos pingados.

Outra controvérsia a Globo não mostrou, mas a revista Istoà‰ publicou em setembro:

Segundo os auditores do TCU, está comprovado que a Pra Frente Brasil há anos cobra dos prefeitos uma taxa de administração para que o município seja favorecido. O ministro Marcos Bemquerer, relator de alguns dos casos investigados, assegura que a prática é ilegal e esse dinheiro deverá ser objeto de investigação específica da Polícia Federal.
….
Karina nega essa versão. Estão entendendo mal!, diz a vereadora. O prefeito não paga para ter o Segundo Tempo. Paga para incrementar as ações de esporte e lazer!, explica. Acho bom que a Polícia Federal entre nas investigações. Para nós, isso vai separar o joio do trigo e vão ver que não cometemos irregularidades.!

Não coloco a mão no fogo por quem não conheço, e não conheço esta ONG, nem Karina, e pode haver irregularidades que se confirmem, mas na própria reportagem achei as explicações dela bem mais convincentes do que as “suspeitas” do Fantástico baseadas apenas em picuinhas, e tive a curiosidade de dar uma conferida na internet.

A ONG de Karina tem um elevado grau de transparência pública, raro de se ver (maior até do que a Fundação Gol de Letra do ex-jogador Raí). Disponibiliza na internet balanços anuais, relatórios de auditoria, contrato do convênio, certidões negativas, e até declaração de renda de pessoa jurídica. Nesse ponto é exemplar e deveria até ser copiada como padrão de referência obrigatório para outras ONG’s que movimentam grandes valores, inclusive a Fundação Roberto Marinho.

A ONG da Globo não tem transparência nenhuma. Não disponibiliza nenhuma prestação de contas em seu site, apesar de receber dinheiro público das mais diversas origens.

Aliás, depois dessa, o Fantástico está devendo uma reportagem sobre a suspeita ONG da Globo, principalmente com relação aos R$ 17 milhões recebidos do Ministério do Turismo.