Em novo round no Senado, ministro do Esporte manterá ofensiva contra caluniadores

Ministro Orlando Silva.

Daqui a pouco, a partir das 14 horas, o ministro do Esporte, Orlando Silva, participará de audiência pública da Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA). O ministro responderá sobre as caluniosas e infundadas denúncias publicadas na imprensa nos últimos dias a respeito de irregularidades no programa Segundo Tempo.

O blog apurou que o ministro manterá nesta tarde a mesma estratégia ofensiva utilizada ontem na Câmara contra os caluniadores, a quem ele classifica de bandidos. Orlando deverá frisar que os ataques recebidos pela mídia são, na verdade, endereçados ao governo da presidenta Dilma Rousseff e ao PCdoB — partido a qual é filiado.

A assessoria do ministro também identificou “cascas de bananas” colocadas pela imprensa em seu caminho visando arrastar o governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), para o olho do furacão e isolá-lo na luta política. Agnelo é ex-PCdoB e antecessor de Orlando na pasta.

A ordem no PCdoB é para que Orlando Silva parta para o ataque sem dó nem piedade na audiência do Senado. O ministro deverá relembrar o mau jornalismo da revista Veja em outros momentos, como no caso da espionagem ao ex-ministro José Dirceu e, de quebra, sugerir regulação da mídia para que interesses políticos e econômicos dos meios de comunicação não se sobreponham aos interesses do Estado. Por trás das denúncias, acreditam os comunistas, há grandes cobiças por causa da importância que ganhou o Ministério do Esporte com a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

Sobre uma hipotética gravação do policial que o denuncia, o ministro afirma que nada existe contra ele. “Se houver, que leve à  Polícia Federal, ao Ministério Público Federal”, desafia.

O requerimento de convite ao ministro foi aprovado durante reunião desta terça-feira (18) na comissão, presidida pelo senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF). A iniciativa foi dos senadores Inácio Arruda (PCdoB-CE) e Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), ambos do mesmo partido de Orlando Silva.

Segundo caluniosa reportagem publicada no final de semana pela revista Veja, o ministro do Esporte teria sido beneficiado por um esquema de desvio de verbas destinadas ao programa Segundo Tempo, de estímulo à  prática esportiva de crianças e adolescentes nas escolas. O desvio de verbas, de acordo com a denúncia, teria ocorrido por meio de organizações não governamentais (ONGs) que prestariam serviço ao programa.

As denúncias contra Orlando são sustentadas no depoimento do policial militar João Dias Ferreira !” processado judicialmente por não cumprir os convênios assinados com o programa Segundo Tempo e embolsar os valores correspondentes. Até o momento, o caluniador não apresentou qualquer documento ou prova que sustente as calúnias contra o ministro.

Em entrevista concedida na segunda-feira (17), Orlando repudiou “veementemente” as denúncias publicadas pela Veja. Nesta terça (18) ele anunciou aos deputados – durante audiência na Câmara -as medidas adotadas por ele para garantir a apuração das denúncias, acrescentando que colocou à  disposição seu sigilo fiscal, bancário, telefônico. Ao mesmo tempo, desculpou-se pelo tom a mais!.

à‰ porque é grande a indignação, que vira revolta, macular a vida a partir de uma mentira de um farsante. Quero mostrar a sociedade brasileira e aos senhores dessa Casa a minha conduta ética e o meu compromisso com o Brasil!, disse, rebatendo também as acusações contra o seu Partido, o PCdoB.

Com informações do Portal Vermelho e da Agência Senado.

Comentários encerrados.