Lula diz que FMI enfrenta crise mundial com ‘silêncio profundo’

do G1

Lula em discurso proferido, nos EUA (Foto: Ricardo Stuckert).

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou nesta sexta-feira (14), nos Estados Unidos, a atuação do Fundo Monetário Internacional (FMI), do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e dos países desenvolvidos na solução da atual crise financeira internacional.

O FMI tinha solução para tudo quando a crise era na Bolívia, no Brasil, no México. Quando a crise chega aos países ricos o FMI se cala, entrou num silêncio profundo. O BID, então, não fala mais nada!, criticou Lula.

Lula disse que as nações desenvolvidas precisam seguir o exemplo do Brasil no combate à  crise mundial e de que não tem nada mais fácil e barato no mundo do que cuidar dos pobres, o que é duro é cuidar dos ricos!.

Para ele a distribuição de renda permite que os pobres possam consumir e, com isso, faz com que a economia possa girar, gerando emprego e renda para os mais ricos.

Uma família pobre com US$ 100 resolve seu problema por um mês. Para o rico, você empresta US$ 1 bilhão e [eles] ainda saem do seu gabinete falando mal do governo. […] Tudo relacionado ao pobre é gasto, aumento do salário mínimo é gasto, transferência de renda é gasto. Emprestar para o rico é investimento. Nós mudamos isso, emprestar para pobre também é investimento!, ressaltou.

O ex-presidente foi um dos agraciados, nesta quinta (13), com o prêmio World Food Prize nos Estados Unidos. A premiação foi criada em 1970 para prestigiar personalidades que contribuíram para a diminuição da fome no mundo. Após recebê-lo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que a fome é “a maior arma de destruição em massa que a humanidade já inventou” e que os governantes, em vez de guerras, devem “lutar pela vida, não pela morte”.

Nesta sexta, a presidente Dilma Rousseff também criticou o FMI. Ela afirmou, porém, que o Brasil poderá aumentar sua participação no fundo. Segundo ela, como país credor, O Brasil não aceitará que sejam impostas a outras nações condições semelhantes a que a entidade impôs ao Brasil nas décadas passadas.

“Hoje nós temos recursos aplicados no Fundo Monetário, possivelmente, inclusive, nós iremos ter uma maior participação. Agora, jamais aceitaramos como participantes do Fundo Monetário certos critérios que nos impuseram sejam impostos a outros países”, disse, durante cerimônia de assinatura do do plano Brasil sem Miséria com os governadores da região Sul, em Porto Alegre.

Na quinta, a presidente já havia criticado o FMI. Ela comparou a crise da dívida soberana, iniciada na década de 1980, com a atual crise econômica nos países ricos e reafirmou a necessidade de conjugar investimento e inclusão social. Disse, porém, que “parece que não há um empenho, uma convicção política uniforme de como lidar com essa crise” por parte dos países ricos.

2 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Quanta demagogia, se o FMI é tão ruim, porque aplicam dinheiro nele então?

    E porque não dão condições dos pobres sairem da pobreza, ao invés de ficarem dando esmolas, grande vantagem cada vez mais familias serem incluidas nas bolsas-voto, o bom seria se este numero diminuísse, mas aí não seriam mais dependentes do governo, né…

  2. Esse cara ainda fala? rei morto, rei posto.