“Herói” da mídia golpista, policial que acusa ministro vai à  Câmara

Policial João Dias Ferreira.

O policial militar João Dias Ferreira vai à  Comissão de Fiscalização e Controle da Câmara, nesta quarta-feira (26), à s 14h30, convocado pela oposição, depor sobre as denúncias que fez em conluio com a revista Veja contra o ministro do Esporte, Orlando Silva, e o PCdoB.

Convertido a “herói” da mídia golpista, o policial Dias tem extensa ficha corrida no Distrito Federal. Ele já esteve preso antes justamente porque desviou dinheiro do programa Segundo Tempo. Foi o ministro Orlando Silva quem determinou a investigação de convênios da ONG do PM (fato que motivou a prisão de João Dias Ferreira).

Há onze dias mantido nos holofotes pelo Partido da Imprensa Golpista, o PM não conseguiu apresentar até agora as provas que prometeu contra o ministro. Nem a revista Veja, que dizia possuir documentos contundentes. Amarelou. Ficou na bravata, na mentira, no golpe, na armação.

O blog apurou que as 8 ONGs que João Dias Ferreira diz que estariam dispostas a delatar mais casos de “corrupção” no Ministério do Esporte, na verdade, são ONGs laranjas criadas pelo próprio policial. Ontem a velha mídia golpista gritou nas manchetes mais esse factoide, sempre no intuito de derrubar o ministro e atingir a presidenta Dilma Rousseff.

Vale lembrar que o “herói” da mídia golpista também é suspeito de assassinado um colega de farda no DF.

O PIG está com uma dificuldade concreta. Não sabe como sair da lambança em que se meteu. Até reduziu o objetivo. Antes queria derrubar o PCdoB e o ministro. Depois sinalizou que o PCdoB poderia ficar, mas sem Orlando. Agora até topa deixar o “Negão” em paz, no entanto, precisa apresentar uma “cabeça” ao público para encerrar o caso. Pode até ser o porteiro do Ministério do Esporte, que nada tem a ver com isso.

Os comunistas afirmam que, se depender deles, a mídia golpista ficará com o desgaste do episódio. A lição seria “pedagógica”. Ou seja, o PCdoB não topa colocar a cabeça de ninguém numa bandeja.

Comentários encerrados.