“Ducci assinou contrato com ONG suspeita”, diz presidente da UGT

* Rossi garante que convênio foi realizado dentro da legalidade

Rossi acusa Ducci: 'Foi ele'.

O presidente da União Geral dos Trabalhadores (UGT), Paulo Rossi, disse que, se houver alguma irregularidade nos convênios entre a prefeitura de Curitiba e a ONG Associação de Defesa do Meio Ambiente Reimer, a responsabilidade é exclusiva do prefeito Luciano Ducci (PSB).

“Foi o prefeito Luciano Ducci que assinou o contrato com a ONG suspeita”, afirma o líder sindical, que até o ano passado era superintendente da Secretaria Municipal do Trabalho.

De acordo com Rossi, ele e o ex-secretário do Trabalho Jorge Bernardi atenderam recomendação do Ministério do Trabalho ao licitar cursos profissionalizantes por meio de “chamadas públicas”.

“As chamadas públicas são uma das modalidades recomendadas pelo próprio Ministério do Trabalho. A própria prefeitura de Curitiba é useira e vezeira deste tipo de licitação. Se houve alguma irregularidade no convênio com a Reimer, a responsabilidade é exclusiva do Ducci que o assinou”, disse o presidente da UGT.

Na Câmara de Curitiba, a veradora Renata Bueno informou que pediu explicações à  prefeitura. A acusação é de que a ONG recebeu R$ 5,4 milhões para ministrar cursos.

“Se a ONG deixou de executar o projeto, cabe ao Ministério Público investigar”, sugere Paulo Rossi.

Jorge Bernardi deixou a Secretaria em abril de 2010 e, dois meses depois, Rossi também pediu para sair do cargo.

A Reimer é especializada em “coisa” de índio.

5 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. só que quem presidiu a chamada pública foi o rossi, ou seja, ele fez todo o processo. ele escolheu a ong vencedora

  2. eu acho que a culpa é do mordomo….. ADOLFOOOOOO. kkkkkkkkkkk

  3. Não importa se os Srs. Jorge Bernardi que ocupava o cargo de Secretário ou o Paulo Rossi que era superintendente pediram ou não demissão ou na verdade foram exonerados, o que vale são as respectivas assinaturas cujo evento ocorreu na época em que os mesmos detinham cargo, então são os verdadeiros responsáveis pelo convênio.

  4. De agora em diante vai ser denúncia em cima de denúncia.

  5. Prezado ESMAEL:
    NÃO PODEMOS SER LEVIANOS EM ACUSAR ALGUÉM. PORTANTO, NÃO ESTOU ACUSANDO O PREFEITO OU ALGUÉM DE UM CONTRATO QUE ATÉ PROVA CONTRÁRIA É LEGAL.

    ATT.

    PAULO ROSSI