Copom reduz taxa Selic para 11,5%

da Agência Brasil

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) manteve a política de redução da taxa básica de juros (Selic), iniciada no final de agosto, e, em decisão unânime, baixou os juros básicos de 12% para 11,5% pelos próximos 45 dias. A próxima reunião do colegiado de diretores do BC está agendada para os dias 29 e 30 de novembro.

Foi a sétima reunião do Copom neste ano. Nas cinco primeiras, a taxa Selic acumulou altas de 1,75 ponto percentual (saiu de 10,75% em dezembro de 2010 para 12,5% em julho deste ano) e, nas duas últimas reuniões, os diretores do BC optaram pela redução de 1 ponto percentual na taxa como forma de reduzir os efeitos da estagnação das economias desenvolvidas no mercado doméstico.

Em nota divulgada logo após a reunião, o Copom explicou a decisão de baixar a Selic para 11,5%. “Ao, tempestivamente, mitigar os efeitos vindos de um ambiente global mais restritivo, um ajuste moderado no nível da taxa básica é consistente com o cenário de convergência da inflação para a meta em 2012.”

Na decisão da reunião anterior, o BC justificou que a redução da Selic tinha o objetivo de proteger o Brasil dos efeitos da crise econômica internacional que atinge, particularmente, os Estados Unidos e os países da Europa.

1 Comentário

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. TAXA DE JUROS CONTINUAM na ESTRATOSFERA!…

    No Japão, taxas está em 0,1%. Nos EUA está em 0,125%.

    No Brasil taxa de Juros está 11,4% mais alta que Japão e os EUA.

    Aqui continua 114 vezes maior que lá.

    Por conta disto, nos últimos 12 meses, a conta de Juros já consumiu R$ 220 bilhões do orçamento deste ano, do governo federal.

    Ou seja, Dilma já pagou pra agiotagem R$ 219 bilhões a mais, que o único bilhão destinado ao METRÔ DE CURITIBA.

    Para o BOLSA FAMÍLIA DOS POBRES, tão criticado pela imprensa, se consome R$ 14 bilhões.

    Para o BOLSA FAMÍLIA DOS RICOS, consome-se R$ 208 bilhões a mais. E ninguém se indignia com isso?…