Cenário aponta para segundo turno em Curitiba em 2012

por Ivan Santos, via Bem Paraná

Fruet, Ratinho e Ducci estarão no primeiro pelotão.

Curitiba pode voltar a ter segundo turno nas eleições do ano que vem. à‰ que o aumento do número de pré-candidatos com chances reais na disputa verificado nas últimas semanas aponta para uma disputa em dois turnos. Pelo menos sete partidos já sinalizaram a intenção de lançar candidatos próprios à  sucessão municipal, sendo que seis deles são nomes com densidade eleitoral significativa, ou apoiados em legendas com representatividade política. Caso essas candidaturas se confirmem, a tendência é que se quebre a polarização verificada nas últimas duas eleições municipais na Capital.

A última vez que Curitiba teve segundo turno foi em 2004, quando o hoje governador Beto Richa (PSDB) bateu o deputado federal à‚ngelo Vanhoni (PT) com 54% dos votos válidos contra 45% do petista. Um dos fatores que prorrogaram a disputa naquela ocasião foi o desempenho do então candidato do PPS, o hoje deputado federal Rubens Bueno, que obteve cerca de 20% dos votos no primeiro turno.

Já em 2008, Richa foi reeleito com folga já no primeiro turno com 77% dos votos contra 18% da candidata do PT, a hoje senadora licenciada e ministra chefe da Casa Civil, Gleisi Hofffmann. Naquele ano, a disputa ficou polarizada entre os dois pela falta de outras candidaturas competitivas. Tanto que o terceiro mais votado foi o candidato do PMDB, o ex-reitor da Universidade Federal do Paraná, Carlos Moreira Júnior, com apenas 1% dos votos.

Para o ano que vem, o cenário é bem diferente. Primeiro porque o atual prefeito e candidato à  reeleição, Luciano Ducci (PSB), está longe de ter o desempenho eleitoral do atual governador. Ducci nunca disputou uma eleição majoritária como cabeça de chapa. Antes de ser eleito vice-prefeito na chapa de Richa, em 2004, ele tinha em seu histórico apenas uma eleição para deputado estadual em 2002. Já Richa, no mesmo ano, foi candidato ao governo do Estado pela primeira vez, obtendo mais de 800 mil votos, e ficando com a terceira maior votação, atrás apenas de Roberto Requião (PMDB) e Alvaro Dias (PSDB).

Além disso, Ducci terá que enfrentar candidatos com densidade eleitoral significativa. A começar pelo ex-deputado federal Gustavo Fruet (PDT). Duas vezes o mais votado para a Câmara Federal em Curitiba, Fruet conquistou no ano passado a maior votação para o Senado na Capital, ou 69% dos votos, batendo inclusive os dois eleitos – Gleisi Hoffmann e Requião – na cidade. Tanto que segundo as últimas pesquisas divulgadas oficialmente, ele lidera as intenções de voto.

Outro nome forte que já se lançou na disputa é o do deputado federal Ratinho Júnior (PSC), que ostenta em seu currículo eleitoral números impressionantes. Em 2002, foi eleito o deputado estadual mais votado, com 189 mil votos. Em 2006, disputando uma cadeira na Câmara Federal, teve 205 mil votos. No ano passado, ampliou a votação para 358 mil votos, sendo o mais votado no Estado e o sexto mais votado do País.

Recall !” O PPS, que em 2008 não teve candidato, preferindo apoiar Richa, já anunciou que no ano que vem, pretende lançar um nome próprio para a disputa. O presidente estadual do partido e deputado federal Rubens Bueno, que tem um histórico de boas votações na Capital, não descarta lançar-se novamente. O partido tem ainda outro nome colocado, o da vereadora Renata Bueno, filha de Rubens e apontada como liderança emergente na Capital.

O PMDB lançou a pré-candidatura do ex-prefeito Rafael Greca. Apesar das votações decrescentes nas últimas duas eleições, Greca é uma liderança reconhecida por sua capacidade de articulação e comunicação. E terá à  sua disposição a legenda que tem o maior tempo disponível na propaganda eleitoral gratuita de rádio e televisão.

Além disso, o PT tem três pré-candidatos colocados até agora: os deputados federais à‚ngelo Vanhoni e Dr Rosinha e o deputado estadual Tadeu Veneri. Vanhoni já disputou a prefeitura de Curitiba três vezes, sendo que em duas delas !” 2000 e 2004 !” chegou ao segundo turno. No ano passado, foi reeleito para a Câmara com mais de 108 mil votos. Rosinha foi eleito deputado federal em 2002 com 124 mil votos.

Correndo por fora está ainda o PV, que tem três pré-candidatos: os deputados estaduais Roberto Aciolli e Rasca Rodrigues, e a ex-deputada federal Dra Clair. Aciolli foi o vereador mais votado de Curitiba em 2008, com 17 mil votos. No ano passado, elegeu-se para a Assembleia com mais de 47 mil votos, amparado na popularidade angariada como apresentador de programa policial na televisão.

Comentários encerrados.