Por Esmael Morais

Aécio se lança candidato com plataforma neoliberal e conservadora

Publicado em 10/10/2011

Aécio faz muitos malabarismos, mas confrontado com questões de fundo, assume com nitidez pertencer ao campo da direita. à‰ quando, por exemplo, ao examinar a hipótese de que a disputa seja com Lula, diz que as diferenças ficarão ainda mais claras!, elencando a defesa de uma política externa pragmática!, em oposição à  que o ex-presidente praticou, qualificada pelo ex-governador como atrasada, em favor dos amigos!.

Certamente, ao falar de pragmatismo nesse contexto, Aécio está defendendo a submissão ao imperialismo, o alinhamento à s orientações dos Estados Unidos e União Europeia, simbolizado na diplomacia de pés descalços que enxovalhou as tradições soberanas e patrióticas do Itamaraty.

O senador mineiro admite as dificuldades políticas. Reconhece a fragilidade e a divisão que atualmente caracterizam o PSDB, que tem dois anos para se viabilizar!. Estamos procurando refundar o PSDB em seu discurso!. Num reconhecimento implícito de que os tucanos fracassaram no discurso e na prática, acrescenta: O PSDB tem de se apresentar como partido que tem a nova agenda para o Brasil!. Acontece que é muito difícil apagar da memória do povo brasileiro o atraso a que relegaram o país durante os dois mandatos do seu guru, FHC. No rol das dificuldades a enfrentar, Aécio reconhece a decadência do DEM.

Por essas razões, defende um leque cada vez mais amplo de alianças!, fazendo acenos para atrair o PSB, o PDT, e o PP, que fizeram parte de seu governo em Minas e o PSD do prefeito paulistano Gilberto Kassab, sobre o qual não tem avaliação clara!, mas vê com muita naturalidade que alguns setores do PSD tenham mais afinidade conosco do que com o PT!. Em outra passagem, porém, reconhece não ser fácil atrair para sua candidatura as forças que se encontram hoje no governo nacional.

Críticas surradas

Em contraste com a opinião generalizada das forças políticas progressistas, dos movimentos sociais e da população brasileira, Aécio faz tabula rasa dos dois mandatos do ex-presidente Lula, com críticas vulgares e surradas, em que revela uma concepção udenista. O aparelhamento da máquina pública como jamais se viu antes neste país foi o mais grave deles [erros do governo Lula], porque abriu o caminho para a corrupção generalizada dentro do governo!.

Quando toca em questões essenciais, Aécio demonstra sua visão neoliberal e de direita: E a outra grande lacuna que o governo passado deixou foi, em um ambiente de prosperidade econômica, altíssima popularidade pessoal do presidente e ampla base no Congresso, Lula não ter encaminhado nenhuma das reformas estruturantes que poderiam estar permitindo, aí sim, que o Brasil estivesse muito mais protegido contra eventuais crises!. O tema é palpitante, porquanto o Brasil precisa de fato de reformas estruturais. Ocorre que há diferenças antagônicas entre a concepção dos tucanos e a das forças progressistas sobre o seu caráter e alcance.

Os tucanos defendem reformas no campo tributário, previdenciário e do próprio Estado brasileiro, de cariz neoliberal e conservador, ao passo que as forças de esquerda propõem um conjunto de reformas !“ política, agrária, urbana, dos meios de comunicação, tributária, da saúde e educação !“ com a finalidade de completar o processo de democratização da sociedade, defendendo as conquistas sociais e a soberania nacional. No fundo, trata-se de uma luta de concepções em torno de um Novo Plano Nacional de Desenvolvimento, que para a esquerda deve incluir a valorização do trabalho e o progresso social. Isto se choca frontalmente com a visão entreguista, patrimonialista, neoliberal e antipopular dos tucanos e seus aliados.

Irritação com Dilma

Um tanto contrariado com os êxitos iniciais do governo Dilma, o senador mineiro acha que é um equívoco falar em governo Dilma, porque esta administração está no nono ano. Não dá para ela se apropriar dos êxitos e se eximir dos equívocos do antecessor. Em termos de gestão pública, esses nove anos de PT foram um atraso. Nós andamos para trás!. (…) E, infelizmente, a presidente caminha na mesma direção que caminhou o governo Lula!.

Certamente, Dilma foi eleita como governo de continuidade e de promoção de novos avanços em termos de políticas públicas para a universalização de direitos, desenvolvimento, defesa da soberania nacional e aprofundamento da democracia. à‰ nisso que consistem seus méritos, esta será a base do avanço e do êxito do seu governo, com o apoio das forças progressistas e da população brasileira. Mas é precisamente isso que irrita Aécio et caterva.

* José Reinaldo Carvalho, editor do Vermelho, com informações de O Estado de S.Paulo.