Acusações contra Orlando Silva tira caso de emendas paulistas do noticiário

por Renato Rovai, na revista Fórum, via Blog do Miro

A reportagem produzida pela Veja na última semana é oca. Sem provas ela vai repetir a história dos dólares cubanos que teriam vindo para a campanha de Lula escondidos em caixas de uísque.

Ou talvez aquela do Caraca, quem botou esse dinheiro aqui?!. Que levou o repórter da revista a ganhar um prêmio do Instituto Millenium para fazer um curso no país da Disneylândia.

Matéria onde o repórter afirmava que alguém tinha colocado 200 mil reais numa gaveta no Palácio do Planalto. Questionado no twitter sobre as provas, ele disse que iria mostrá-las. Este ingênuo blogueiro ainda continua esperando-as.

Aliás, um registro necessário, este ingênuo blogueiro não coloca sua delicada mão no fogo por nada. Nem por assessores do Palácio, nem por ministros e nem mesmo pelas pessoas que ama.

A questão é outra.

Acusações precisam de provas. Não basta uma pessoa que está sob investigação sair acusando outra que a denunciou para que todos se tornem culpados.

Também é necessário registrar que desde que a matéria da Veja ganhou à s ruas, o ministro Orlando Silva vem tendo uma postura correta. Chamou uma entrevista coletiva (não foi para o JN dar uma exclusiva, como outro certo ministro) e se colocou à  disposição para ir ao Congresso.

Também pôs seus sigilos bancário, fiscal e telefônico à  disposição e pediu que o caso fosse investigado pela PF.

Só por essas atitudes, o correto seria ir mais devagar com o andor.

Mas que nada, a mídia tradicional quer sangue.

Entre tantos detalhes, talvez um também ajude a explicar a necessidade de se estar indo com tanta sede a esse pote.

O caso das emendas paulistas (que engraçado!) saiu do noticiário.

Neste caso, quem acusa boa parte da Assembléia Legislativa de corrupção não é um criminoso confesso, mas um deputado da base do governo.

Com uma história que é bem mais complexa e interessante do ponto de vista jornalístico, porque envolve o governo do maior Estado do país, vários deputados, prefeitos e grandes empreiteiras.

Queria que um coleguinha da mídia tradicional me explicasse qual é o critério jornalístico que leva um caso a ser tão amplamente divulgado e o outro a ser tão ridiculamente escondido.

Só há uma explicação, o que a mídia tradicional faz não é jornalismo. à‰ picaretagem.

Comentários encerrados.