Vereadores do PDT almoçaram com Ducci e dirigentes do PSD

Vereadores do PDT Jairo Marcelino, Roberto Hinça e Tito Zeglin.

A bancada do PDT na Câmara Municipal de Curitiba — Roberto Hinça, Jairo Marcelino e Tito Zeglin — almoçou nesta segunda-feira (19) com o prefeito Luciano Ducci (PSB) e com os dirigentes do PSD, deputados Ney Leprevost e Eduardo Sciarra.

Como não poderia ser diferente, o cardápio de hoje foi a possível troca de partido pelos três vereadores pedetistas.

Ducci e aliados vêm jogando pesado para esvaziar o PDT, que deverá agasalhar nos próximos dias o ex-deputado federal Gustavo Fruet — candidato a prefeito em 2012.

3 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Uma promessa de um carguinho aqui, um asfaltinho pra comunidade ali, uma facilidade para liberar alvarás acolá…

  2. ESSES 3 JUNTOS NÃO FAZEM 20.000 VOTOS ANO QUE VEM!!! MELHOR FICAR ONDE ESTÃO!!!

  3. A despeito do cardápio desconhecido e da devida ressalva à fonte, que também desconheço, aproveito o suposto furo jornalístico para os seguintes comentários:

    1. Os vereadores do PDT ““ Jairo Marcelino, Roberto Inça e Tito Zeglin ““ não seriam estúpidos para caírem em aventuras como esta que se propaga como “novo PSD”, que ressurge no cenário nacional agora sob a liderança do questionável prefeito Gilberto Kassab, da capital de São Paulo, já enrolado no manto da fraude de assinaturas; portanto, bem pior daquele antigo PSD que fora criado por Getúlio Vargas e ficou conhecido como “o partido de JK”;

    2. Gustavo Fruet deve se filiar mesmo ao Partido Democrático Trabalhista (PDT) e, nesta sua nova condição política, será natural que passe a acenar com alianças eleitorais diferenciadas das que participou em 2010, estabelecendo boa vizinhança com outros partidos e pré-candidatos para a disputa das eleições à prefeitura de Curitiba; porém, não vejo com bons olhos a antecipação de acordos para 2014, mesmo sabendo que isto está se tornando rotina nos bastidores;

    3. Gustavo tem potencial para continuar na liderança da sucessão municipal até o mês das convenções (junho de 2012), chegando em condição privilegiada para driblar os interesses meramente eleitorais que campeiam nos meios políticos e coordenar uma política de alianças diferenciada, focado nos objetivos públicos que mais despertam atenção dos cidadãos curitibanos contribuintes.