Sem registro, PSD gera insegurança a políticos

via Agência Estado

O adiamento da decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre o registro do PSD aumentou a pressão de prefeitos e vereadores em cima dos idealizadores do partido. Como buscarão novos mandatos em 2012, são eles os maiores prejudicados se a nova legenda não conseguir o registro até o dia 7. O TSE deve retomar o debate amanhã, mas a possibilidade de novos adiamentos tem provocado instabilidade na base do partido idealizado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab.

O senador Sérgio Petecão (AC) definiu o trabalho como de “apagar incêndio”. Oposição ao governo do PT no Estado, ele conseguiu a adesão de três deputados estaduais e diversos vereadores, mas a insegurança sobre 2012 pode provocar baixas.

“Estamos numa ansiedade grande. Estou apagando incêndio, tentando acalmar todo mundo.”

O deputado Júlio César, que está deixando o DEM para comandar o PSD no Piauí, confirma a apreensão dos prefeitos e vereadores. “Eles procuram a gente toda hora”, disse. Segundo ele, 18 prefeitos e 200 vereadores do Piauí estão a caminho do PSD, mas continuam em seus partidos como “plano B”. O deputado José Carlos Araújo (BA) faz relato semelhante.

“Tem um bocado de prefeito e vereador preocupado. Os mais ligados a nós vão esperar até o fim do mês, mas tem gente apreensiva.”

No DEM, sigla que mais sofreu com a criação do PSD, a aposta é que a nova legenda está fora das próximas eleições. No partido, já se discute o que fazer com quem anunciou a saída e recuar. O presidente do DEM, José Agripino (RN), avisa que a análise será feita caso a caso.

“O problema é dos que saíram, não nosso.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários encerrados.