Rocha Loures deixa presidência da Fiep nesta noite

Rocha Loures deixa presidência.

Após um período de oito anos à  frente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), o presidente Rodrigo da Rocha Loures, que nesta sexta-feira passa o comando da instituição ao empresário Edson Campagnolo, deixa o cargo com o sentimento de dever cumprido e a certeza de que o trabalho empreendido por ele ao longo de dois mandatos transformou a Federação em uma referência nacional de gestão e produtividade.

Para Rocha Loures o resultado da eleição do último dia 03 de agosto, quando os sindicatos industriais do Estado conduziram a chapa Fiep Independente, apoiada por ele, a uma vitória consagradora, foi o reconhecimento do seu trabalho frente a instituição. Foi gratificante, pois indica que o trabalho que nós fizemos foi bem avaliado pelos nossos associados!, observa.

A transição entre a atual diretoria da Fiep e a diretoria eleita, que toma posse nesta sexta-feira (30), será conduzida de forma tranquila. Estou muito confortável, a nova diretoria é composta por empresários familiarizados com a Fiep, comprometidos com a busca do sucesso da instituição e imbuídos das melhores intenções!, avaliou Rocha Loures, que continua na diretoria da Federação como delegado representante junto à  Confederação Nacional da Indústria (CNI).

Legado !“ Nos últimos 8 anos, a Fiep registrou resultados expressivos. Apenas na construção de novas unidades ou expansão e modernização de suas estruturas, o Sistema Fiep aplicou R$ 225 milhões no período. Os investimentos reforçaram a presença da Federação, Sesi, Senai e IEL em todo o Estado, aprimorando o atendimento à s demandas das indústrias.

Boa parte desse montante serviu para ampliar de forma significativa a oferta de serviços de educação e formação profissional. Isso possibilitou números recordes nessa área, confirmando o acerto da estratégia de priorizar a educação como caminho para o desenvolvimento sustentável do Estado.

O número de matrículas anuais nos programas educacionais desenvolvidos pelo Sesi e pelo Senai saltou de 60 mil em 2003 para 550 mil em 2011. Considerando-se apenas as matrículas nos cursos Técnicos, de Aprendizagem Industrial, de Aperfeiçoamento, Qualificação e Iniciação Profissional do Senai em todo o Paraná, o número subiu de 46 mil para 252 mil matrículas no mesmo período. Para que isso fosse possível, o número de unidades do Senai no Estado subiu de 22 para 40.

Segundo Rocha Loures estes resultados colocam a Fiep como a segunda Federação em porte de serviços e atividades do Brasil. Só perdemos efetivamente para São Paulo. Em todo o Brasil, somos o segundo colocado em produção, o que demonstra que o modelo de gestão que adotamos no Paraná proporciona uma produtividade muito grande!, avalia.

Outro destaque na área da educação foi a criação e rápida expansão do Colégio Sesi Ensino Médio. Com uma metodologia de ensino inovadora, ele busca formar jovens como cidadãos e profissionais proativos e empreendedores. Além disso, a partir do segundo ano, o estudante tem a opção de frequentar um curso profissionalizante do Senai. Em seis anos, o Colégio Sesi formou uma rede com 44 escolas, que hoje contam com 11 mil alunos. Com isso, tornou-se a maior rede privada de ensino médio do Estado.

Além disso, o Sesi Paraná intensificou a oferta de educação continuada para trabalhadores das indústrias, empresários e a comunidade em geral. Em 2011, estão sendo disponibilizados cerca de 50 cursos pela internet. A instituição passou a ofertar também pré-vestibular gratuito, com curso presencial e a distância, e criou, ainda, o Portal Planeta Sesi, com conteúdo que complementa o ensino de crianças de 4 a 10 anos, estudantes de escolas públicas.

Em 8 anos, o Sesi também realizou 1 milhão de atendimentos em Saúde e Segurança no Trabalho (SST) e esporte e lazer dos industriários. O número é um claro indicador do fortalecimento do apoio do Sistema Fiep à s indústrias nas iniciativas voltadas à  qualidade de vida dos seus trabalhadores. Nessa área, uma medida de impacto foi a criação, em 2006, do Cartão Sesi, que entre outros benefícios oferta aos funcionário e seus familiares o atendimento odontológico. Atualmente, são cerca de 28,5 mil usuários do cartão, de 436 indústrias.

O que faz a história não é o presidente, é a soma da contribuição de milhares de profissionais.!, afirma Rocha Loures. O que eu posso me orgulhar é que nesse período em que fui presidente pude proporcionar um ambiente onde todos os nossos colaboradores, cada um no seu espaço, pôde desenvolver na plenitude a sua capacidade profissional.!, finaliza.

Comentários encerrados.