Requião prevê redução da bancada estadual do PMDB; ouça o áudio

O senador Roberto Requião disse nesta terça-feira (13) que os deputados estaduais do PMDB, dentro da fisiologia, estão cometendo um equívoco enorme ao aderir ao governo Beto Richa, do PSDB. Segundo ele, o partido corre o risco de um desastre eleitoral em 2014.

Ao prognosticar que apenas 2 deputados serão reeleitos ele avisou:

Seguramente, o governador vai privilegiar os deputados os seus amigos do PSDB e do DEM!.

Para Requião, a popularidade do governo tucano é o reflexo do bom momento que o país vive, de pleno emprego no Paraná e no Brasil, e a falta de oposição.

Rigorosamente, o governo não está fazendo absolutamente nada!, criticou.

De acordo com o senador peemedebista, a bancada do PMDB será reduzida para dois deputados por causa da adesão ao governo de Beto Richa.

Nas eleições de 2010, o partido elegeu 13 tucaninhos!.

Requião afirmou ainda que a perda da identidade e da credibilidade dos deputados é o prenúncio do desastre eleitoral que se avizinha.

[audio:http://audio.robertorequiao.com.br/analise_pmdb.mp3]
Clique aqui para fazer o download do áudio.

4 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Os dois pesos e duas medidas com que a mídia pauta seu noticiário
    Publicado em 13-Set-2011

    Image
    Beto Richa
    O governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), acaba de atrair o PMDB paranaense para sua base de apoio e passa a contar, agora, com 41 dos 54 deputados do Estado. Estava demorando, mas aconteceu, assim, mais um exemplo prático da hipocrisia do discurso tucano contra o sistema de governo de coalizão e alianças, a formação das chamadas bases do governo adotada no Brasil, em Brasília, nos Estados e nos municípios.

    Essa montagem de bases de governos é uma consequência do sistema eleitoral que adotamos, de voto uninominal com financiamento privado de campanhas eleitorais. Ele leva à dispersão, ao enfraquecimento dos partidos, a uma influência cada vez maior do poder econômico nas eleições, ao caixa dois e a todas as suas consequências.

    Coalizões funcionam assim em todo Brasil, e em qualquer parte do mundo onde haja governos e coligações partidárias. Mas, aqui, parte da mídia e especialmente seus articulistas, há meses vem fazendo uma campanha contra o governo Dilma e o PT, atacando as alianças e o governo de coalizão federal, taxando-os de fisiológicos e fontes da corrupção.

    PT continua coerente e fiel ao seu programa

    Querem imputar fisiologismo e corrupção ao governo federal, à presidenta da República e ao PT e que isto seria decorrência das alianças e da coalizão. As acusações de troca de cargos e de compra de apoio são generalizadas contra o governo federal. Os arautos da mídia, no entanto, não fazem o mesmo em relação a São Paulo, Minas Gerais e, agora, Paraná, que repetem o mesmo modelo e todos de oposição.

    Assim, apesar dos protestos do ex-governador e senador Roberto Requião (PMDB) – que junto com o PT continua na oposição – o governador Beto Richa acaba de conseguir o apoio do PMDB, seu arqui-inimigo nos últimos 12 anos.

    Nossa mídia não só não o criticou como ainda apresenta o fato como uma derrota do PT que agora, segundo ela, ficará isolado. Isolado, mas coerente e fiel ao seu programa, sem que isso signifique não dialogar ou não apoiar iniciativas legítimas e de direito do governo Richa na sua relação com a administração Dilma Rousseff.

    Foto: Maurilio Cheli/ SMCS

  2. O Requião fez exatamente isto quando era governador… copptou legal, porém o PSDB ampliou a bancada de deputados.

  3. O IMPORTANTE É QUE ESSES VENDIDOS FIQUEM DE FORA NA SUA MAIORIA E QUE O REQUIÃO VOLTE AO GOVERNO COM UM PMDB RENOVADO SEM AS RAPARIGAS QUE ACOMPANHAM QUEM PAGA MAIS NA NOITADA.