Para PT, “xoque de jestão” de Richa significa retrocesso e adoção do modelo lernista de Estado mínimo

Deputado Elton Welter.

Por sugestão do deputado Elton Welter, a bancada do PT na Assembleia Legislativa realiza na próxima segunda-feira, dia 19, o Seminário Modelos de gestão e parcerias público privadas, dilemas e perspectivas!.

O encontro será realizado no plenarinho, das 8h30 à s 12 horas e contará com a presença, como debatedores, do deputado estadual Simão Pedro (PT-SP), do ex-prefeito de Porto Alegre e deputado estadual Raul Pont (PT-RS) e do sociólogo e especialista em gestão pública Luis Carlos da Silva (MG).

Segundo o deputado Elton Welter, o partido está convocando federações de trabalhadores, sindicatos, representantes dos movimentos sociais e das entidades representativas de toda a sociedade para essa discussão.

Queremos mobilizar vários segmentos para esse debate, que é extremamente importante e oportuno. Na nossa avaliação, o modelo de gestão adotado pelo governo do Paraná pode significar um grande retrocesso. O governo nega qualquer intenção de privatizar, mas o discurso adotado, as ações, são no sentido de implantar um modelo de terceirizações e privatizações. Negam essas intenção, mas as ações nesse sentido são reais e contratas. Eles não querem o carimbo de neoliberais, mas agem assim.Queremos discutir como serão feitas as PPPs e qual a necessidade de adota-las!, explica.

Welter lembra que o governo, através de decreto, criou um conselho gestor para aprovar, acompanhar e estruturar as parcerias público privadas em projetos nas áreas de tecnologia e inovação, cultura e desenvolvimento econômico.

O governo inclusive já autorizou uma empresa chamada Shopping do Cidadão Serviços e Informática a efetuar estudos técnicos para implantação de um programa chamado Centro de Atendimento ao Cidadão. Será que isso é necessário? O governo não tem estrutura e funcionários suficientes e treinados para fazer esse atendimento? Precisa fazer uma PPP para prestar esse serviço?!, questiona.

Segundo Welter, o governo Beto Richa vem dando destaque em seus discursos e ações iniciais à  necessidade de implantar um choque de gestão, com o enxugamento do estado, o controle dos gastos, a flexibilização, a modernização, aos contratos de gestão e gestão de resultados.

Mas concretamente o que quer dizer esse discurso? O governo quer restabelecer no Paraná um período já passado no governo Lerner, de redução do tamanho do Estado, de privatização, terceirização. Esse é o modelo de eficiência, de flexibilidade, de modernização que se busca com essa proposta!, analisa.

O deputado diz que o diagnóstico da situação das finanças públicas, feito pelo governo e posteriormente desmentido pelo Tribunal de Contas, revela claramente essa posição.

O governo falou em um rombo de R$ 4,5 bilhões, caos nas finanças, enfim, uma herança maldita. Segundo o TC, o ano fechou com sobra de R$ 22 milhões, já descontados os restos a pagar. Não há herança maldita, a atual gestão não recebeu um Estado quebrado!, diz.

A estratégia governista é criar um cenário econômico e financeiro negativo, pintando um quadro de caos das finanças, de empresas estatais ineficientes, da máquina pública inchada e morosa, de um funcionalismo apático e inoperante, que presta serviços públicos de péssima qualidade enfim, um governo que precisa ser totalmente reconstruído. E reconstruído com um ‘choque de gestão’, com o redimensionamento da estrutura administrativa, através de terceirizações, alavancando parcerias público-privadas e equacionando concessões de serviços públicos. Exatamente o que Lerner fez, com o mesmo secretário de Planejamento, Cássio Taniguchi!, diz Welter.

5 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Não seria “choque”???

  2. Caso o Kalunga não saiba, na mesma época das montadoras o Extra inaugurou o Super Mercado no Alto da XV e deu mais empregos que todas as montadoras junto. O Estado investiu um monte para importar vaiculo pronto, dando emprego na França, Alemanha etc. O nome é MONTADORA, ou seja, so parafusar o que já vem pronto dentro de um barracão. Se quiserem ir embora não perdem nada, pois nada investiram.

  3. o lerner foi um bom governador .deu o banestado de presente. a chysler foi embora por que? foi no tempo do governo dem…

  4. O Lener foi o melhor governador do Paraná. Se não fosse a instalação das montadoras não havia emprego e muito menos arrecadação aos cofres públicos. A única coisa que pecou foi não negociar melhor os pedágios. Também temos que reconhecer que se não fosse as concessionárias as estradas estariam uma lástima.

    • O Jãime é a síntese do curitiboca: um boçal, jacu que valoriza estrageirices e desdenha o que é da terra. As montadoras exploram os funcionários desde sempre, não pagam nada de impostos, geram poucos empregos diretos e não produzem absolutamente nada. É tudo importado. Nada fica aqui, só o status de babacas. A indústria de panificação emprega muito mais gente, mesmo indiretamente, com mais fornecedores e prestadores. Empregos indiretos das montadoras? Fotógrafos e publicitários deslumbrados que engordams seus currículos. Essa é a cidade modelo do Jãime. Aliás, qualquer curitiboca pode pegar a BR 376 (duplicada pelo Requião com dinheiro dos cofres públicos) para visitar uma das montadoras. É o êxtase de qualquer imbecil.