MEC distribuirá tablets para estudantes de escolas públicas

da Agência Brasil

O Ministério da Educação (MEC) vai distribuir tablets !“ computadores pessoais portáteis do tipo prancheta, da espessura de um livro !“ a escolas públicas a partir do próximo ano. A informação foi divulgada nesta quinta-feira (1) pelo ministro da Educação, Fernando Haddad, durante palestra a editores de livros escolares, na 15!ª Bienal do Livro. O objetivo, segundo o ministro, é universalizar o acesso dos alunos à  tecnologia.

Haddad afirmou que o edital para a compra dos equipamentos será publicado ainda este ano. Nós estamos investindo em conteúdos digitais educacionais. O MEC investiu, só no último período, R$ 70 milhões em produção de conteúdos digitais. Temos portais importantes, como o Portal do Professor e o Portal Domínio Público. São 13 mil objetos educacionais digitais disponíveis, cobrindo quase toda a grade do ensino médio e boa parte do ensino fundamental.!

O ministro disse que o MEC está em processo de transformação. Precisamos, agora, dar um salto, com os tablets. Mas temos que fazer isso de maneira a fortalecer a indústria, os autores, as editoras, para que não venhamos a sofrer um problema de sustentabilidade, com a questão da pirataria.!

Haddad não soube precisar o volume de tablets que será comprado pelo MEC, mas disse que estaria na casa das centenas de milhares!. Ele destacou que a iniciativa está sendo executada em parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT).

O MEC, neste ano, já publica o edital de tablets, com produção local, totalmente desonerado de impostos, com aval do Ministério da Fazenda. A ordem de grandeza do MEC é de centenas de milhares. Em 2012, já haverá uma escala razoável na distribuição de tablets!.

2 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Isso deve ser porque os notebooks que os alunos iam ganhar já ficaram obsoletos…

  2. Enquanto isso, os professores tem que preencher a mão intermináveis livros de registro de classe. O MEC deveria pensar nisso também, já que essa atividade toma um tempo razoável dos docentes. Tempo este que poderia muito bem ser utilizado para atividades mais produtivas do ponto de vista educacional.