Justiça determina que parte dos dentistas volte ao trabalho em Curitiba

por Rodrigo Batista, na Gazeta do Povo

O Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) determinou que pelo menos um cirurgião dentista em cada uma das unidades de saúde de Curitiba volte ao trabalho, mesmo com a greve. A decisão foi proferida nesta sexta-feira (23) pelo desembargador Luiz Mateus de Lima.

Segundo a assessoria de imprensa da prefeitura de Curitiba, a determinação é imediata para que os cirurgiões atendam em regime de escada cada uma das 107 unidades de saúde de capital, para garantir assistência em casos de emergência. Ainda de acordo com a assessoria, o pedido da Procuradoria Geral de Curitiba ocorreu porque não houve acordo com os grevistas sobre o atendimento durante a paralisação.

Procurada, a diretora-jurídica do Sindicato dos Servidores Municipais de Curitiba (Sismuc), Irene Rodrigues, disse que, apesar de o sindicato já ter conhecimento do caso por outros meios, ainda não havia sido notificado formalmente pela justiça até as 16h30 desta sexta-feira. Mesmo assim, de acordo com Irene, qualquer determinação seria acatada e cumprida pelos grevistas, assim que o sindicato fosse avisado da decisão.

Os cirurgiões dentistas da saúde pública de Curitiba estão em greve por tempo indeterminado desde quinta-feira (22). A categoria reivindica equiparação salarial com os vencimentos dos médicos do município. Na capital, segundo o Sismuc, o salário base dos dentistas é de R$ 1,653,00. Já segundo a Prefeitura, o vencimento inicial de um cirurgião dentista é de R$ 2.043,84.

1 Comentário

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. eu acho errado .a prefeitura em vez de dar aumento de salario aos dentistas, leva no pau da lei que ajauda os ricos ,esse desembargador ele se contentaria de ganhar a micharia salarial dos dentistas. o salario que os dentistas ganham , mal apenas paga um implante de apenas um dente. o prefeito ganhar 26000 mil reais pode. quanta ganha um desembargador?