Derosso antecipa-se à  CPI e abre contratos de publicidade a vereadores

Derosso será alvo de CPI. Foto: Denis Ferreira Neto.

O vereador João Cláudio Derosso (PSDB), presidente da Câmara Municipal de Curitiba, divulgou uma “nota de esclarecimento” afirmando que colocou à  disposição da CPI e da Comissão de à‰tica os documentos contábeis referentes aos contratos de publicidade firmados com as empresas VISàƒO PUBLICIDADE LTDA. e OFICINA DA NOTàCIA LTDA.

O tucano está sendo investigado em virtude de suspeitas de irregularidades nesses mesmos contratos.

Na verdade, Derosso se antecipa à  CPI que, necessariamente, iria requerer a cópia de toda a movimentação contábil durante as investigações.

A seguir, a íntegra da nota de esclarecimento de Derosso:

NOTA DE ESCLARECIMENTO

O Vereador JOàƒO CLàUDIO DEROSSO, na qualidade de Presidente da Comissão Executiva da Câmara Municipal de Curitiba, esclarece aos interessados que os documentos contábeis referentes aos contratos de publicidade firmados com as empresas VISàƒO PUBLICIDADE LTDA. e OFICINA DA NOTàCIA LTDA. encontram-se disponíveis para consulta dos Senhores Vereadores, Membros do Conselho de à‰tica e Membros da Comissão Parlamentar de Inquérito, na Diretoria Contábil e Financeira do Departamento de Administração e Finanças.

Esclarece, outrossim, que o acesso à  referida documentação deverá ocorrer de forma ordenada e previamente agendada junto à quele Departamento, haja vista estar a mesma sob a guarda e responsabilidade desta Presidência, face inquérito que tramita junto ao Ministério Público do Estado do Paraná e auditoria do Tribunal de Contas do Estado do Paraná.

PALàCIO RIO BRANCO, em 14 de setembro de 2011.

Ver. JOàƒO CLàUDIO DEROSSO
Presidente

2 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Precisa-se verificar se os documentos são verdadeiros ou falsificações. Com a força que ele tem, e com sua biografia, não pode-se acreditar cegamente.

  2. Agora resta a quebra do sigilo bancário das duas agencias.

    Acredito que esta medida não deve estar sob a guarda da presidencia e sim do Ministério Publico.

    Feito isto tudo deverá ficar esclarecido. E muito bem esclarecido.