Com exceções, mídia amplifica tese de que BC errou ao reduzir juro

via Carta Maior

Com raras exceções, os principais colunistas econômicos da grande mídia amplificaram, nesta quinta-feira (1), a idéia de que o Banco Central (BC) cedeu à  pressão política do Palácio do Planalto para reduzir a taxa Selic. A instituição anunciou na quarta-feira (31) o corte do juro básico da economia em meio ponto percentual, para 12%, pela primeira vez no governo Dilma. Apesar da queda, o país ainda possui uma das mais altas taxas do mundo.

Colunista do jornal O Globo, da TV Globo e da rádio CBN, a jornalista Míriam Leitão buscou no mercado financeiro a justificativa técnica para sustentar que a decisão do BC prejudica a economia brasileira.

“Economistas que fazem análises nos departamentos de bancos e consultorias previam manutenção da taxa, porque era a melhor coisa a se fazer diante do cenário internacional e da pressão da inflação ainda forte no Brasil”, escreveu em O Globo. “Todo mundo quer que os juros caiam, mas o problema é quando isso acontece quando não há condições técnicas e com tudo dizendo o contrário”.

Apresentador e colunista da rádio CBN, Carlos Alberto Sardenberg também criticou a decisão do BC. Em seu comentário desta quinta-feira na edição matutina do Jornal da CBN, ele defendeu a importância da convergência de opiniões entre a instituição e o mercado. “O sistema de metas de inflação aplicado no Brasil e em mais 150 países com bancos centrais independentes funciona com alguns rituais, e um deles é que deve haver convergência de opiniões entre o Banco Central e o chamado mercado”, afirmou.

Para Sardenberg, os sinais apontados pelo BC para reduzir a Selic !“ crise internacional e desaceleração da economia brasileira !“ não têm base na realidade. “A análise de que estamos na iminência de uma crise como a de 2008 só o BC está fazendo, e o Brasil está anunciando recorde no comércio externo”, contestou.

No jornal O Estado de S. Paulo, o colunista Celso Ming optou pela ironia. Disse que há sinais de que o Banco Central se transformou num derivativo do Ministério da Fazenda !“ ou do Palácio do Planalto! e que as autoridades da área monetária terão de correr atrás do prejuízo infligido a sua credibilidade!.

Ao Banco Central não basta que seja autônomo; é preciso parecer. A maneira como conduziu a baixa de juros, decidida quarta-feira, não cuidou da preservação da credibilidade de uma instituição que precisa conduzir responsavelmente as expectativas dos agentes econômicos!, analisou Ming, que também criticou que o PIB seja uma variável a ser considerada na definição da Selic.

Em sua crítica à  decisão do BC, a colunista Thais Herédia, do portal G1, das Organizações Globo, respaldou-se em comentário do banco Morgan Stanley: dadas as condições atuais da economia brasileira, o corte (de 0,50pp) pode se provar antecipado. Os riscos inflacionários continuam altos no país e, a não ser que ocorra uma brusca deterioração na economia mundial, a inflação vai continuar elevada!.

No Jornal do SBT, Carlos Nascimento aventurou-se pelo universo econômico e também deixou seu recado: Se espera que a decisão tenha sido tomada apenas do ponto de vista técnico, sem inteferência política do governo que vinha buzinando na orelha do Banco Central para baixar o juro. Não que a notícia não seja boa, porque é, mas, além de boa, tem que ser a decisão certa!.

Contra a corrente

Apesar das críticas ao Banco Central terem se espalhado na mídia, em artigos e reportagens, nem todos os colunistas engoliram a tese de que foi um equívoco reduzir os juros. Em seu blogue no portal do Estadão, José Paulo Kupfer publicou um texto chamado Exageros!, em que compara a reação anti-BC ao furação Irene que atingiu os Estados Unidos.

Quando veio a decisão de cortar !“ e de cortar forte em 0,5 ponto porcentual !“ a reação contrária que se seguiu à  surpresa generalizada teve a força de um furacão. E de tal intensidade que, se fosse possível comparar, o Irene, diante dela, não passaria de uma brisa!, escreveu.

Por um lado, Kupfer diz que a presidente Dilma Rousseff, com ela própria no comando da ação interventora, extinguiu a norma institucional vigente e atropelou sem cerimônia a autonomia informal do Banco Central, determinando que se decidisse o que foi decidido!.

Por outro, porém, contestou a tese de que a credibilidade do Banco Central na coordenação do sistema de metas de inflação e o próprio sistema de metas de inflação foi arruinada.

Se a coordenação de expectativas do BC se limitasse à s do mercado financeiro, não haveria dúvida de que este é um momento de ampla falta de sintonia. Mas, se tal coordenação deve englobar os outros segmentos da economia e, enfim, a sociedade em geral, a conversa da credibilidade precisa de qualificação e ir bem mais longe!, apontou.

Outro colunista que remou contra a corrente foi Fernando Canzian, em artigo publicado na versão eletrônica da Folha de S. Paulo, chamado Brasil vira o jogo!. No texto, o jornalista afirma que não faltará capital externo ao Brasil mesmo com o recuo da Selic, pois o mundo rico pratica hoje taxas de juro negativas ou próximas de zero!.

Canzian também não descarta a justificativa do BC de que os riscos de inflação são cada vez menores diante do desaquecimento no mundo rico!. Sobre isso, ele diz: à‰ uma aposta, mas factível. Os países desenvolvidos devem comprar menos, diminuindo pressões sobre preços!.

3 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. as grandes redes , de radios, e tv, são favoravel ao imperialismo ianque. se dizem privados mas gastam dinheiro do contribuinte. por que dar dinheiro para apanhar? sandeberg e sabio mas e emprega, fala o que patrão manda, então e um papagaio com suas papagaiadas. a imprensa brasileira e igual a de beluscone,do murdoque. a venda de carros nos eua aumentou consideravelmente,todos os dia so falam em caos. os estados unidos recuperam devagar ,mas ta indo para melhor. a internet deixa os jornalões fracos .essa reclamações e ripar o governo e uma farsa . eles teem um sentimento de negativo de tudo dar certo no brasil( escrevo isso que lei permite os jornalistas falarem o que querem,então eu tambem posso.)porque o suplemo derrubou diploma a jornalistas, eu não sou e nem quero ser. veja a papagaiada de a grande familia , usam o programa para o terror, a globo tem que ser enquadrada na forma da lei. eu gosto do programa mas onten não gostei….

  2. Se sobe é ruim, se baixa é pior! O que querem???

  3. Esta grande mídia vive mamando na teta dos banqueiros são bando de sangue suga chupa cabras.
    É claro que eles não estão nem ai com o povo trabalhador sofrido principalmente a Rede Globo que neste ultimo dois dias vem fazendo de tudo para afundar o Brasil com como se a Míria Leitão e um bandinho de Economistas serviçais do sistema capitalistas selvagem tivesse alguma preocupação com o povo que paga mais de 230% juros ao ano em cartão creditos são parceiros dos ladrões da nação esta gentalha.