Obama assina sentença de morte política

via blog do Zé Dirceu

Ex-ministro José Dirceu.

à‰ evidente que a situação americana é complexa e não haverá saída fácil. Mas, também, é óbvio que o acordo assinado pelo presidente Barack Obama sobre o aumento do teto de endividamento do país é sua sentença de morte política, já que enterra todo o seu plano de governo. E justo agora quando ele já anunciou sua candidatura à  reeleição e se prepara para disputá-la em 2012.

Alguns diriam: “mas, foram os eleitores que escolheram esse caminho ao darem maioria ao Partido Republicano, e ainda elegerem uma forte bancada do Tea Party”. à‰ verdade, mas o fato é que o presidente Obama abriu mão de seu programa de governo, pelo qual foi eleito, ao aceitar cortes orçamentários sem aumento de impostos para os mais ricos.

Assim, além de colocar em risco o reaquecimento da economia norte-americana, ele enterra os sonhos e, particularmente, submete a maior economia do mundo à  mesma lógica que levou a Europa ao desastre atual, onde os cortes e a austeridade são para salvar os bancos.

Sem saída

São cortes na Europa tal qual nos EUA, que deixam os cidadãos e as nações sem saída. Pior, deixam-nos – ou lhes impõem – sob o risco de saídas autoritárias. à‰ só esperar para ver. A não ser que da sociedade surjam novos movimentos e partidos, ou que os atuais partidos e líderes se renovem. A perspectiva não é nada promissora, seja no velho continente, seja em Tio Sam.

Resta, portanto, só uma esperança, como sempre: a de que as nações e povos, como vem acontecendo lentamente na Europa, encontrem novos caminhos e, principalmente, se reencontrem com os sonhos de um mundo melhor, sonhos que são, para todos nós, o motor da história.

1 Comentário

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Zé Dirceu parece estar criticando o governo do seu partido, o qual, através de contingenciamentos orçamentários, deixa de gastar com quem precisa para garantir o pagamento dos juros da dívida pública, vale dizer, o pagamento de títulos públicos em poder dos financistas globais, incluindo aí a elite financeira brasileira.