Arns pede a desocupação da reitoria da UEM para iniciar negociação com estudantes

via O Diário

Proposta de Arns é recusada pelos estudantes.

Proposta de Arns é recusada.

Em visita a Sarandi, na manhã desta sexta-feira (26), o governador em exercício e também secretário de Educação, Flávio Arns, recebeu o reitor da Universidade Estadual de Maringá (UEM) para discutir a invasão à  reitoria da instituição. Ele pede que os estudantes desocupem as salas para então começar as negociações.

Arns explicou que já iniciou conversas sobre o episódio com o secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Alípio Leal, mas ainda não tem uma resposta definitiva sobre o caso.

Um dos coordenadores do Diretório Central dos Estudantes (DCE), Bartolomeu Parreira Nascimento, afirma que os estudantes não sairão da reitoria sem um acordo. “Não vamos desocupar de mãos vazias. Eles terão que negociar conosco primeiro”, afirma.

Reunião

O reitor da UEM, Júlio Santiago Prates Filho, se reúne à s 14 horas com representantes dos conselhos de Administração e Universitário para fazer a comunicação oficial da ocupação da Reitoria desde quinta-feira por mais de 500 estudantes da instituição. Prates vai apresentar aos conselheiros o rol de reivindicação dos estudantes e debater quais as providências devem ser tomadas com relação à  ocupação.

O reitor disse há pouco que possivelmente após a reunião com os conselhos Universitário e de Administração serão iniciadas negociações com o DCE visando à  desocupação e o início das conversas sobre as reivindicações.

Representantes dos estudantes confirmaram presença no Conselho Universitário, mas alertam que desejam negociar também com o Governo do Estado. “Não temos reivindicações apenas junto à  reitoria. Queremos negociar o corte de gastos das universidades públicas com representantes do governo do Estado, pois esta é a raiz de todos os problemas que a instituição vem enfrentando”, afirma Nascimento.

Contraproposta recusada

Para se retirar da reitoria, os estudantes exigem a contratação imediata de quatro funcionários para o Restaurante Universitário (RU), uma vez que, segundo eles, os funcionários estão sobrecarregados, comprometendo a qualidade das refeições.

Veja as reivindicações dos estudantes no blog criado pelo DCE.

Eles também querem que estudantes carentes consigam isenção de pagamento no RU, e a inclusão de um cardápio vegetariano nas refeições, para melhorar a qualidade da alimentação.

Os estudante também pedem a construção da Casa do Estudante, de um novo RU dentro do campus de Maringá, para diminuir as filas, e também exigem que os campi da UEM de outras cidades tenham restaurantes.

O reitor apresentou uma contraproposta nesta manhã. Ele afirmou que em dois dias pode incluir um cardápio vegetariano no RU por duas vezes na semana. Santiago ressaltou que já solicitou a contratação de mais quatro funcionários para o restaurante ao Governo do Estado, mas que ainda não obteve respostas.

Quanto à  isenção de pagamento de refeições aos estudantes carentes, Santiago afirma que a universidade já subsidia as refeições, gastando cerca de R$ 600 mil ao ano, para que os estudantes possam gastar apenas R$ 0.50 por café da manhã e R$ 1,60 no almoço e janta (mensalistas pagam R$ 1,44).

Sobre a construção de novos restaurantes, o reitor afirma que um projeto arquitetônico e hidráulico já foi realizado em parceria com a Prefeitura de Maringá, mas que ainda não conseguiu captar recursos para concretizá-lo. Uma comissão em conjunto deve ser formada para discutir um aumento do atual restaurante.

Sobre a possibilidade de construir RUs nas cidades onde existem campi da UEM, o reitor afirmou que não existe espaço físico nem orçamentário para a implantação deles. A Casa do Estudante já está em fase de construção.

Por conta dessas respostas, os estudantes negaram a contrapropostas e afirmam que ficarão na reitoria até que as suas exigências sejam cumpridas.

1 Comentário

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. temos um vice contador de carnerinhos.