30 de julho de 2011
por Esmael Morais
3 Comentários

Dilma cogita demitir ministro Jobim

da Folha.com

A presidente Dilma Rousseff constrangeu ontem o ministro da Defesa, Nelson Jobim, ao tratá-lo de forma protocolar durante evento oficial no Palácio do Planalto.

Ela avalia a possibilidade de demiti-lo da pasta após Jobim declarar publicamente à  Folha e ao UOL ter votado no tucano José Serra na eleição presidencial de 2010.

Dilma ficou irritada com a declaração. Cogitou demitir Jobim, mas preferiu não fazer isso já. No governo avalia-se que, se o ministro tivesse pedido demissão, ela teria aceito na hora. Leia mais

30 de julho de 2011
por Esmael Morais
4 Comentários

Veja essa: Barros espera contar com apoios de Alceni e Taniguchi na Fiep

Barros, Alceni e Taniguchi na Fiep.

O secretário da Indústria e Comércio, Ricardo Barros (PP), informou que, caso seja eleito presidente da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), fará uma parceria com o ex-ministro Alceni Guerra (PSD), atual chefe escritório de representação do Governo do Estado em Brasília. ... 

Leia mais

30 de julho de 2011
por Esmael Morais
1 Comentário

Gleisi diz que chorou ao receber convite de Dilma

por Marina Caruso, na Marie Claire

Tailleur de tweed, colar de pérolas, escarpim de verniz. São 8 horas da quinta-feira 28 de julho, e a ministra Gleisi Hoffmann está sendo maquiada em seu gabinete, no Palácio do Planalto. à‰ o início de mais um dia na agenda da mulher que assumiu a Casa Civil do governo Dilma, em meio a sua primeira grande crise, provocada pela demissão do ex-ministro Antonio Palocci. Convite feito, Gleisi conversou com o marido, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo. “Eu dizia: “Paulo, tenho dúvidas. Não me sinto preparada”. Mas ele me pedia para refletir”, afirma a ministra. “Naquela noite, eu chorei. Chorei mesmo. Era muita responsabilidade.” Decidida a recusar o cargo, Gleisi foi então se encontrar com a presidente Dilma Rousseff. Saiu do gabinete presidencial como a ministra mais poderosa do governo Dilma, função que exerce há quase dois meses.

O que foi fundamental em sua trajetória para transformá-la em chefe da Casa Civil?
Gleisi Hoffmann !“ Duas características foram essenciais na minha vida: determinação e disciplina. Meus pais me deram isso. Eles sempre foram rígidos na educação e nos impuseram humildade. Minha mãe criou a mim e a meus três irmãos (Bertoldo, Juliano e Francis) praticamente sozinha. Meu pai era comerciante e viajava muito. Não tínhamos empregada e éramos uma família de classe média baixa. Para que a casa ficasse em ordem, todo mundo ajudava.

“O DIABO MORA NOS DETALHES”

Quais são as virtudes femininas em cargo de comando?
Gleisi !“
Acho bárbaro quando os homens dizem que nós nos preocupamos muito com os detalhes. Essa é uma avaliação crítica recorrente, inclusive que alguns fazem à  própria presidente. Dizem que a gente fica muito preocupada com detalhe e que temos de pensar no macro. Só que o diabo mora nos detalhes. Então se dedicar para que a coisa dê certo desde o início até o final, cuidando, acompanhando, é uma característica das mulheres. Eu não tenho dúvida que isso vai fazer uma diferença importantíssima na vida pública do país.

Como a cúpula feminina do governo pode ajudar a sanar problemas de gênero como a violência doméstica, a desigualdade salarial, a falta de políticas públicas para a saúde da mulher?
Gleisi !“
Com estímulo a políticas públicas e interlocução com a iniciativa privada. As conquistas nesse campo farão parte de um processo que já está acontecendo. Podemos acelerá-lo e é o que pretendemos.

A presidente Dilma disse ironicamente que está cercada de “homens meigos”. Como a senhor Leia mais