3 de abril de 2011
por Esmael Morais
Comentários desativados em Colégio SESI conquista prêmio internacional de inovação

Colégio SESI conquista prêmio internacional de inovação

O Colégio Sesi Ensino Médio conquistou o prêmio internacional Hermà¨s de l’Innovation 2011. Concedido pelo Instituto Europeu de Inovação e Estratégias Criativas, da França, o prêmio reconhece empresas e organizações que desenvolvem produtos e serviços que contribuem para o desenvolvimento da sociedade.

O Colégio Sesi venceu na categoria Relação entre os Homens!. A premiação será dia 19 de abril, em Paris.

A experiência do ensino médio ofertado pelo Sesi Paraná é a única brasileira a receber o Hermà¨s de I’Innovation este ano.

Criado em 2005, o Colégio Sesi atendeu à  estratégia adotada pelo Sistema Fiep nos últimos anos, de priorizar a educação como caminho para o desenvolvimento sustentável do Estado. Leia mais

3 de abril de 2011
por Esmael Morais
1 Comentário

Habitação: Luta de classes no Parolin

por José Carlos Fernandes, via Gazeta do Povo

Em janeiro deste ano, na esquina das ruas Lamenha Lins com Chanceler Lauro Mà¼ller, no Parolin, um grupo de moradores da classe média experimentou o sabor dos protestos populares. Organizados em guerrilha, os parolinenses de cima! !“ como podem ser chamados, já que são gente da parte alta e mais urbanizada do bairro !“ queimaram pneus no asfalto, mandando sinais de fumaça para a Copel.

Motivo: nos seis meses anteriores ao motim, não passava dia sem que a luz caísse naquelas quadras. Para os manifestantes, a causa dos blecautes era só uma !“ a falta de infraestrutura para a construção, ali perto, de dois blocos de casas populares para reassentar 50 famílias de parolinenses de baixo!, retirados das margens do Córrego Guaíra.

Os maus humores entre a zona favelizada e a que lembra um condomínio de luxo é antiga. Basta lembrar que as primeiras ocupações na parte baixa do Parolin são da década de 1950. Naquela ocasião, uma Curitiba interiorana assistiu com espanto ao nascimento das vilas Parolin e Capanema (Torres). Nos anos 1980, a vilinha paupérrima do Parolin virou território de traficantes, vitimizando ainda mais seus 6 mil moradores, 45% do bairro. Os pobres sabem da tormenta que é ter a Cidade de Deus de um lado e o Morro do Sa!­!­bão de outro, obrigando-os a um re!­!­gime espartano para não desagradar a turma do crime organizado.

Em 2006, quando as primeiras assistentes sociais da Cohab bateram na porta dos barracos da baixada e iniciaram um recenseamento, o Parolin enfim respirou !“ com 50 anos de atraso. O trabalho dos técnicos teve duplo impacto: pela primeira vez se traçou um retrato em minúcias da favela mais antiga da cidade. E pela última vez os moradores da parte de cima acreditaram que os case Leia mais