Por Esmael Morais

Soldados dos EUA tiram fotos com cadáveres de crianças; veja

Publicado em 24/03/2011

As imagens ilustram a perversão da lavagem cerebral que Obama, o Pentágono e o complexo militar-industrial midiático faz aos soldados dos Estados Unidos.

Das crianças chilenas do bairro de La Granja não há fotos, porque não deixaram ninguém entrar com câmeras “por razões de segurança”, no entanto, os encontros da primeira dama estadunidense com pequenos escolares de vez em quando aparecem reproduzidos de forma irônica na série Os Simpson. O medíocre discurso do anfitrião, Sebastián Pià±era, bajula os Estados Unidos, chamando-os de “nação amante da paz”.

Até agora, nenhum meio de comunicação chileno, com exceção do El Clarín, se preocupou em divulgar essas fotografias da Der Spiegel.

Na fotografia que ilustra este artigo, vê-se o cadáver do filho do camponês Gul Mudin, assassinado em 15 de janeiro de 2010.

O militar que levanta a cabeça da criança pelos cabelos pode ser Jeremy Morlock ou Andrew Holmes, da chamada “Equipe da Morte” do Afeganistão, um grupo de 12 militares estadunidenses que está sendo julgado em Seattle, pelo assassinato de civis no país asiático.

Gul Mudin, pai do menino assassinado, era um sitiante dos arredores da cidade de Kandahar. Os soldados alegaram que ele teria ameaçado atirar uma granada neles.

O diário britânico The Guardian disse na terça-feira que os militares mutilavam os dedos das suas vítimas e extraíam seus dentes como “troféus”.

Para obter uma pena reduzida, Morlock aceitou dedurar seus companheiros e culpar seu superior, o sargento Calvin Gibbs, como responsável pelas matanças.

Com agências.