do Brasil 247

Presidente Dilma Rousseff rebate tese de que banco e fundo foram criados pelos países Brics para fazerem frente ao FMI e Banco Mundial: "eles não são contra ninguém, eles são a nosso favor. São a favor dos países Brics, mas também são a favor dos países em desenvolvimento", declarou, em entrevista coletiva concedida após a sessão plenária da 6ª cúpula do bloco, em Fortaleza (CE); presidente garantiu que o Brasil não sai derrotado sem a presidência do Banco de Desenvolvimento; "Todos nós consideramos que era justo que a primeira presidência ficasse com o país que tinha proposto, no caso, a Índia", explicou.

Presidente Dilma Rousseff rebate tese de que banco e fundo foram criados pelos países Brics para fazerem frente ao FMI e Banco Mundial: “eles não são contra ninguém, eles são a nosso favor. São a favor dos países Brics, mas também são a favor dos países em desenvolvimento”, declarou, em entrevista coletiva concedida após a sessão plenária da 6ª cúpula do bloco, em Fortaleza (CE); presidente garantiu que o Brasil não sai derrotado sem a presidência do Banco de Desenvolvimento; “Todos nós consideramos que era justo que a primeira presidência ficasse com o país que tinha proposto, no caso, a Índia”, explicou.

Em coletiva de imprensa concedida após a plenária da VI Cúpula dos Brics, em Fortaleza (CE), na noite desta terça-feira 15, a presidente Dilma Rousseff rebateu a tese de que o novo banco de desenvolvimento e o arranjo contingente de reservas, pelos países do bloco – Brasil, Rússia, China, Índia e África do Sul – foram criados para fazerem frente ao FMI (Fundo Monetário Internacional) e ao Banco Mundial.

“Essas instituições não são contra ninguém, elas são a nosso favor, é uma outra perspectiva. Elas são a favor dos países Brics, mas também são a favor dos países em desenvolvimento”, afirmou. Dilma garantiu que o banco e o arranjo contingente olharão com atenção para países em desenvolvimento com regras bastante claras e firmes a respeito da sustentabilidade econômicas das instituições. (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

O governador Beto Richa delegou a seu filho, Marcello, a tarefa de coordenar o ativismo digital nas redes sociais durante a campanha pela reeleição; "Redes sociais serão decisivas nas eleições", opina o cibertucano.

O governador Beto Richa delegou a seu filho, Marcello, a tarefa de coordenar o ativismo digital nas redes sociais durante a campanha pela reeleição; “Redes sociais serão decisivas nas eleições”, opina o cibertucano.

O coordenador de redes sociais do PSDB-PR, Marcello Richa, vai comandar um comitê de ativismo digital na campanha pela reeleição de seu pai, o governador Beto Richa (PSDB). Ele afirmou ontem à noite (15) que as redes sociais serão decisivas nas eleições de outubro.

Para o filho do governador, as redes sociais permitem a comunicação como uma via de mão dupla e abrem espaço para o eleitor discutir ideias e falar diretamente com seu candidato. (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

da Agência Senado

Senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) destacou o bom funcionamento da segurança e da infraestrutura e a boa impressão causada pelo povo brasileiro nos visitantes do exterior; ainda criticou os parlamentares da oposição e os órgãos de imprensa que previram o fracasso do mundial de futebol por não darem o reconhecimento devido à capacidade do país.

Senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) destacou o bom funcionamento da segurança e da infraestrutura e a boa impressão causada pelo povo brasileiro nos visitantes do exterior; ainda criticou os parlamentares da oposição e os órgãos de imprensa que previram o fracasso do mundial de futebol por não darem o reconhecimento devido à capacidade do país.

A senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) elogiou o governo federal pelo sucesso da Copa do Mundo. Ela destacou o bom funcionamento da segurança e da infraestrutura e a boa impressão causada pelo povo brasileiro nos visitantes do exterior.

A senadora ainda criticou os parlamentares da oposição e os órgãos de imprensa que previram o fracasso do mundial de futebol por não darem o reconhecimento devido à capacidade do país. (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

A praga da judicialização dá o tom no início da campanha eleitoral de 2014; depois de multas aqui e acolá, agora o candidato Ogier Buchi tenta embaçar a candidatura de Gleisi Hoffmann pelo tapetão; representante do PRP alega que petista perdeu o prazo para indicar o vice Haroldo Ferreira, do PDT; advogado Luiz Fernando Pereira, que defende a senadora do PT, contesta pedido de impugnação no TRE afirmando que é natural os partidos delegarem deem poderes para as executivas celebrarem coligações até a data-limite para o registro das candidaturas.

A praga da judicialização dá o tom no início da campanha eleitoral de 2014; depois de multas aqui e acolá, agora o candidato Ogier Buchi tenta embaçar a candidatura de Gleisi Hoffmann pelo tapetão; representante do PRP alega que petista perdeu o prazo para indicar o vice Haroldo Ferreira, do PDT; advogado Luiz Fernando Pereira, que defende a senadora do PT, contesta pedido de impugnação no TRE afirmando que é natural os partidos delegarem deem poderes para as executivas celebrarem coligações até a data-limite para o registro das candidaturas.

A praga da judicialização do debate eleitoral poderá matar a política, pois os grandes escritórios de advocacia ganham mais importância que os candidatos a cada eleição, as propostas e o próprio marketing ficam secundarizados devido ao protagonismo dos tribunais.

A penúltima é que o advogado Ogier Buchi, candidato ao governo do Paraná pelo PRP (Partido Republicano Progressista), colocou a senadora Gleisi Hoffmann (PT) no paredão antes de o jogo começar a ser jogado. O ex-comentarista do Jornal da Massa quer tirar a moça pelo tapetão, cassando-lhe a candidatura.

Ogier alegou no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) que a petista perdeu o prazo para o registro da chapa cuja data fatal para as convenções foi 30 de junho. Ele aponta que o vice de Gleisi, Haroldo Ferreira (PDT), fora indicado somente em 2 de julho.

O advogado Luiz Fernando Pereira, coordenador jurídico da campanha de Gleisi Hoffmann, contesta o pedido de impugnação do PRP. Segundo ele, é natural que os partidos deem poderes para as executivas celebrarem coligações até a data-limite para o registro das candidaturas, que é 5 de julho.

A política não pode ser reduzida à disputa jurídica, onde prevalece o tapetão e a melhor estratégia nos tribunais. É preciso resgatar a soberania do voto do povo, que deve escolher seus dirigentes em todas as esferas públicas com a menor interferência possível de outros poderes – especialmente do Judiciário.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

do Brasil 247

Segundo o atual presidente, senador Valdir Raupp (RO), com o retorno, o vice-presidente Michel Temer “terá uma atuação plena em todas as decisões do partido neste período eleitoral”: “Como vice-presidente do partido, estarei participando ativamente do grande projeto político do PMDB, que inclui a reeleição à vice-presidência da República, ao lado da presidente Dilma Rousseff, na aliança com PT”.

Segundo o atual presidente, senador Valdir Raupp (RO), com o retorno, o vice-presidente Michel Temer “terá uma atuação plena em todas as decisões do partido neste período eleitoral”: “Como vice-presidente do partido, estarei participando ativamente do grande projeto político do PMDB, que inclui a reeleição à vice-presidência da República, ao lado da presidente Dilma Rousseff, na aliança com PT”.

O vice-presidente Michel Temer volta, nesta quarta-feira (16), ao comando nacional do PMDB. Ele se afastara do cargo em 2010, quando se candidatou na chapa de Dilma Rousseff.

Segundo o atual presidente, senador Valdir Raupp (RO), com o retorno, Temer “terá uma atuação plena em todas as decisões do partido neste período eleitoral”.

“Como vice-presidente do partido, estarei participando ativamente do grande projeto político do PMDB, que inclui a reeleição à vice-presidência da República, de Michel Temer, ao lado da presidente Dilma Rousseff, na aliança com PT”, informou Raupp em nota.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS
Charge de Paixão - Gazeta do Povo (PR).

Charge de Paixão – Gazeta do Povo (PR).

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

capa_estadãoJornais do Paraná

- Gazeta do Povo: Brasil cede primeira presidência de banco dos Brics para a Índia

- Bem Paraná: Número de acidentes fatais sobe dentro do trânsito urbano

- Jornal Metro: Com Copa, cidade recebe 214 mil turistas em junho

- Jornal de Londrina: Pedidos de informação aumentam 80% na Câmara

- Folha de Londrina: Nova ação penal vincula Youssef à família Janene e ao mensalão

- O Diário (Maringá): Maringá se mobiliza para trazer campus da UTFPR

- Diário dos Campos: Campos Gerais têm 62 candidatos para as eleições de outubro

- Jornal da Manhã: ANAC assume controle do Aeroporto Santana

- Tribuna do Interior: Rota do tráfico

- O Paraná: Agronegócio alavanca as vendas no comércio

- Gazeta do Paraná: Cuidado! Juro ao consumidor continua alto e subindo

- Jornal Hoje: Sem apoio, fiscalizações do Observatório travam

- Gazeta do Iguaçu: Obras do capus da Unila são paralisadas

- Diário do Noroeste: Paranavaí teve queda de 37,5% no número de acidentes de trânsito

- Tribuna de Cianorte: Vedação contra o crime

- Umuarama Ilustrado: Umuarama quer usar programa para controlar a poluição do ar

- Tribuna do Norte: Tribunal condena Pegorer à prisão

Jornais de outros estados

- Globo: Brasil cede, e Índia presidirá banco dos Brics

- Folha: Brasil cede presidência, e banco dos Brics é criado

- Estadão: Brasil cede, e Índia vai presidir banco dos Brics

- Correio: Após Copa, o choque de realidade do Brasileirão

- Valor: Grupo português dá calote e põe à venda ativos no Brasil

- Estado de Minas: A Copa que não acaba

- Zero Hora: A Terra Prometida para os Ganeses

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

do Brasil 247

Em discurso durante a sessão plenária da 6ª cúpula dos Brics, que reúne líderes de Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, em Fortaleza (CE), presidente diz que os países do bloco "são essenciais para a prosperidade do planeta"; "Fomos responsáveis pela mitigação dos efeitos da crise financeira global, e pelo sustentado crescimento da economia mundial", afirmou; mais cedo, Dilma Rousseff ressaltou avanço a ser obtido com criação do Novo Banco de Desenvolvimento, que terá fundo inicial de US$ 100 bilhões; "O banco vai contribuir com recursos para garantir investimentos em infraestrutura", anunciou.

Em discurso durante a sessão plenária da 6ª cúpula dos Brics, que reúne líderes de Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, em Fortaleza (CE), presidente diz que os países do bloco “são essenciais para a prosperidade do planeta”; “Fomos responsáveis pela mitigação dos efeitos da crise financeira global, e pelo sustentado crescimento da economia mundial”, afirmou; mais cedo, Dilma Rousseff ressaltou avanço a ser obtido com criação do Novo Banco de Desenvolvimento, que terá fundo inicial de US$ 100 bilhões; “O banco vai contribuir com recursos para garantir investimentos em infraestrutura”, anunciou.

Em discurso durante sessão plenária da 6ª cúpula do Brics, que reúne em Fortaleza (CE) mandatários de Rússia, Índia, China e África do Sul, além do Brasil, a presidente Dilma Rousseff afirmou que, com a criação do Novo Banco de Desenvolvimento do bloco e o estabelecimento do Arranjo Contingente de Reservas, os países Brics “ganham densidade e afirmam seu papel no cenário internacional”.

No atual cenário, ressaltou Dilma, uma conjuntura de “grandes oportunidades”, os países do bloco “têm a obrigação de se manifestar, de se fazer escutar, de atuar”. Os membros do grupo “não podem ficar alheios às grandes questões internacionais”, acrescentou. A presidente reforçou que “estamos não apenas entre as maiores economias do mundo, mas também entre as que mais cresceram nos últimos anos”. (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

Governador tucano Beto Richa tem se apoiado nas igrejas evangélicas para garantir-se no Palácio Iguaçu; a senadora petista Gleisi Hoffmann também tem franqueado espaço em sua agenda aos crentes para chegar ao governo do Paraná.

Governador tucano Beto Richa tem se apoiado nas igrejas evangélicas para garantir-se no Palácio Iguaçu; a senadora petista Gleisi Hoffmann também tem franqueado espaço em sua agenda aos crentes para chegar ao governo do Paraná.

O governador Beto Richa (PSDB) tem apostado boa parte de suas fichas pela reeleição nas igrejas evangélicas. Ontem à noite, em Curitiba, por exemplo, ele participou de um culto de ação de graças ao aniversário do Bispo Antônio Cirino Ferro, da Igreja Sara Nossa Terra.

Richa contou duas mil pessoas no evento que de classificou de “bonito de ver tantas pessoas celebrando juntas e felizes”.

O tucano disse que o crescimento das igrejas é fundamental para uma sociedade mais justa e mais humana. No telão, aprecia a imagem do aniversariante com o candidato e a inscrição “Paraná é Jesus”.

Na semana passada, em Foz do Iguaçu, Richa também participou da reunião eclesiástica de ministros da Convenção das Igrejas Evangélicas Assembleia de Deus no Paraná.

A senadora Gleisi Hoffmann (PT) também tem privilegiado espaço às evangélicas em sua agenda. Assim como Richa, ela esteve na convenção de Foz.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

do Brasil 247

O senador Aécio Neves (PSDB-MG), presidenciável tucano, lança nesta terça-feira o vídeo “em família”. Produzido pela equipe do publicitário Paulo Vasconcelos, que coordena sua campanha, a peça retrata a visão que seus familiares têm a seu respeito.

A mãe, Inês Maria, destaca o espírito conciliador do filho e diz que ele pode ter “adversários”, mas não “inimigos”. A esposa, Letícia, ressalta traços de caráter, como retidão, que, diz ela, serão transmitidos aos filhos Júlia e Bernardo, recém-nascidos. A filha Gabriela, por sua vez, evoca as lembranças do pai que conta histórias e, até recentemente, a levava ao Mineirão. Já o primo Rodrigo destaca que Aécio é uma pessoa “leve” e “fácil de gostar”.

A irmã Andrea, uma das pessoas mais próximas a Aécio, destaca que, ao contrário de muitas pessoas, ele não teria o controle sobre o próprio futuro, como se a presidência, mais do que uma obsessão, fosse seu destino.

O nome “em família” também não foi escolhido ao acaso. Faz parte da estratégia tucana para combater ataques sofridos por Aécio nas redes sociais, em razão de um estilo de vida mais festivo e boêmio. Em relação a isso, Aécio sempre disse ser “um homem do seu tempo”. Agora, na reta final da disputa presidencial, o objetivo é apontar seus vínculos com a família.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

Deputado Doutor Rosinha, símbolo da militância aguerrida do PT, vai coordenar o comitê suprapartidário Dilma-Requião no Paraná; presidente do PT de Curitiba, Natalino Bastos, confirmou ao Blog do Esmael a crescente dissidência, que desidrata campanha de Gleisi Hoffmann ao governo do Paraná; vice-prefeita de Curitiba, Mirian Gonçalves, principal nome petista na capital, também ingressará no comitê suprapartidário com lideranças do PT, PCdoB e PDT; entre os dissidentes, há expectativa de desistência de Gleisi da corrida eleitoral; nesse cenário, disputa ficaria polarizada entre Requião e o governador Beto Richa (PSDB) e eleição seria decidida em apenas um turno.

Deputado Doutor Rosinha, símbolo da militância aguerrida do PT, vai coordenar o comitê suprapartidário Dilma-Requião no Paraná; presidente do PT de Curitiba, Natalino Bastos, confirmou ao Blog do Esmael a crescente dissidência, que desidrata campanha de Gleisi Hoffmann ao governo do Paraná; vice-prefeita de Curitiba, Mirian Gonçalves, principal nome petista na capital, também ingressará no comitê suprapartidário com lideranças do PT, PCdoB e PDT; entre os dissidentes, há expectativa de desistência de Gleisi da corrida eleitoral; nesse cenário, disputa ficaria polarizada entre Requião e o governador Beto Richa (PSDB) e eleição seria decidida em apenas um turno.

O deputado federal Dr. Rosinha, do PT, foi alçado à coordenação do comitê suprapartidário em apoio à reeleição da presidenta Dilma Rousseff (PT) e da eleição do senador Roberto Requião (PMDB) ao governo do Paraná. O parlamentar, que não vai disputar a eleição neste ano, foi escolhido por unanimidade dentro de um grupo petista dissidente que não quer nem ouvir falar na candidatura da senadora Gleisi Hoffmann (PT).

Na manhã desta terça-feira (15), o Blog do Esmael anotou com exclusividade que lideranças do PT, PCdoB e PDT organizam um comitê Dilma-Requião no Paraná (clique aqui).

O presidente municipal do PT de Curitiba, Natalino Bastos, ao Blog do Esmael, confirmou a dissidência no partido pró-Requião. Segundo ele, a direção curitibana foi democraticamente eleita no PED (Processo de Eleição Direta), em novembro, mas completamente excluído da coordenação da campanha de Gleisi. “A coordenação passou por cima da instância municipal e se organizou na capital através das zonais, nos deixou fora, portanto, não temos nenhum compromisso com isso aí”. Natalino promete para tarde de hoje uma nota oficial sobre o caso.

Além de Dr. Rosinha e Natalino, a vice-prefeita de Curitiba, Mirian Gonçalves (PT), também deverá desembarcar nos próximos dias no comitê suprapartidário Dilma-Requião. Ela é cotada para coordenar as atividades sindicais da dobradinha.

Ouvido pelo Blog do Esmael, Requião disse que não tem como proibir o recebimento de adesões suprapartidários, mas declara-se como eleitor crítico de Dilma. “Sabe como polaco chama mosquito? Não chama, ele vem sozinho”, desconversa.

“O meu voto é da Dilma porque as opções são as piores possíveis, é o neoliberalismo puro e simples sem mesmo as estratégias de manutenção do poder do PT”, afirmou mais cedo o candidato do PMDB. Para ele, Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) são neoliberais sem preocupação com o mundo do trabalho.

Na ala dissidente do PT, especula-se que Gleisi Hoffmann pode desistir da candidatura ao Palácio Iguaçu. Se se confirmar esse movimento, a disputa ficaria polarizada entre Requião e o governador Beto Richa (PSDB). Ou seja, a eleição seria decidida em apenas um turno.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS
O que parecia ser uma disputa conjugal teve um desfecho inesperado. O deputado estadual Felipe Lucas (PPS) desistiu de sua candidatura à reeleição para apoiar a esposa Marisa Massa Lucas (PSC). O filho dos dois, Rafael Lucas (PSB), também é candidato, mas disputa uma vaga na Câmara Federal.

O que parecia ser o início de uma disputa conjugal teve um desfecho inesperado. O deputado estadual Felipe Lucas (PPS) desistiu de sua candidatura à reeleição para apoiar a esposa Marisa Massa Lucas (PSC). O filho dos dois, Rafael Lucas (PSB), também é candidato, mas disputa uma vaga na Câmara Federal.

O deputado estadual Felipe Lucas (PPS), não será candidato a reeleição. Ele desistiu de concorrer nas eleições para apoiar a candidatura da esposa Marisa Massa Lucas (PSC), que irá disputar uma vaga na Assembleia Legislativa do Paraná (ALEP).

Felipe diz que a decisão foi tomada considerando as chances que o casal teria em suas coligações. Marisa faz parte da Coligação Paraná Mais Forte formada por três partidos (PSC/PR e PT do B), que conta com o candidato Ratinho Junior, apontado como um forte postulante a uma votação expressiva. Caso isto se confirme nas urnas, elevam-se as chances de que a coligação faça um número maior de deputados estaduais, devido ao coeficiente eleitoral. (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

Militantes e dirigentes do PT, PDT e PCdoB planejam lançar comitê suprapartidário Dilma-Requião no mês de agosto; senador peemedebista disse que não tem como proibir o recebimento de apoios, bem como Dilma não tem como recusá-los em um estado tradicionalmente hostil ao PT; candidatura da senadora Gleisi Hoffmann patina porque apostou equivocadamente que a coalização com partidos do espectro governista se daria naturalmente "por cima"; coligação liderada pela petista pode estar repetindo erro ocorrido nas eleições de 2012 em Curitiba, cujas feridas da batalha interna no partido ainda continuam abertas.

Militantes e dirigentes do PT, PDT e PCdoB planejam lançar comitê suprapartidário Dilma-Requião no mês de agosto; senador peemedebista disse que não tem como proibir o recebimento de apoios, bem como Dilma não tem como recusá-los em um estado tradicionalmente hostil ao PT; candidatura da senadora Gleisi Hoffmann patina porque apostou equivocadamente que a coalização com partidos do espectro governista se daria naturalmente “por cima”; coligação liderada pela petista pode estar repetindo erro ocorrido nas eleições de 2012 em Curitiba, cujas feridas da batalha interna no partido ainda continuam abertas.

O senador Roberto Requião (PMDB), candidato ao governo do Paraná, e a presidenta Dilma Rousseff (PT), que concorre à reeleição, deverão ganhar no início de agosto um comitê suprapartidário organizado por militantes e dirigentes do PT, PDT e PCdoB.

Embora os três partidos façam parte da base governista no Congresso Nacional, no Paraná estão extraoficialmente divididos entre as candidaturas de Requião, da senadora Gleisi Hoffmann (PT) e do governador Beto Richa (PSDB).

Os prefeitos das maiores cidades administradas pelo PDT estão na torcida pela reeleição de Richa e eleição de Requião, que terá Celso Silva, de Bandeirantes, como seu coordenador na região Norte Pioneiro (clique aqui).

O comitê Dilma-Requião foi um subterfúgio encontrado por militantes petistas, comunistas e pedetistas para apoiarem a volta do senador peemedebista ao Palácio Iguaçu, pela quarta vez, sem que haja retaliação por parte das respectivas direções partidárias.

A coligação “Paraná com Governo”, liderada por Requião, é formada pelo PMDB, PV e PPL.

Ouvido pelo Blog do Esmael, Requião disse que não tem como proibir o recebimento de apoios suprapartidários, mas declara-se como eleitor crítico de Dilma.

“O meu voto é da Dilma porque as opções são as piores possíveis, é o neoliberalismo puro e simples sem mesmo as estratégias de manutenção do poder do PT”, afirma o candidato do PMDB. Para ele, Aécio Neves (PSDB) e Eduardo Campos (PSB) são neoliberais sem preocupação com o mundo do trabalho.

Se Requião diz que não pode recusar votos e apoios, por que Dilma teria de recusá-los em um colégio eleitoral tradicionalmente hostil ao PT?

A candidatura de Gleisi patina porque se achou equivocadamente que a coalização com partidos do espectro governista se daria naturalmente “por cima”, sem necessidade de fazer política “na base”, com lideranças do estado. Até se enquadrou PCdoB e PDT pela cúpula, mas os corações das militâncias e dirigentes de ambos os partidos batem por Requião e Richa.

O erro de Gleisi na eleição de 2014 é uma repetição do que foi a escolha da vice na chapa do prefeito Gustavo Fruet (PDT), em Curitiba. A senadora queria “por cima” a então presidente do PT Roseli Isidoro, mas o partido na base escolheu Mirian Gonçalves. São feridas de um passado recente na história petista que ainda não cicatrizaram (clique aqui).

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS
Quem vota em cidades com mais de 200 mil eleitores e estará fora de seu domicílio eleitoral nas eleições de outubro pode se cadastrar a partir de hoje (15) para votar em trânsito. No Paraná, poderão usufruir desse direito os eleitores de Curitiba, Londrina, Maringá, Ponta Grossa e Cascavel.

Quem vota em cidades com mais de 200 mil eleitores e estará fora de seu domicílio eleitoral nas eleições de outubro pode se cadastrar a partir de hoje (15) para votar em trânsito. No Paraná, poderão usufruir desse direito os eleitores de Curitiba, Londrina, Maringá, Ponta Grossa e Cascavel.

O eleitor que pretende votar fora de sua cidade nos dias 5 e 26 de outubro, primeiro e segundo turno do pleito geral, poderá requerer o benefício nos cartórios eleitorais a partir de hoje (15). O prazo termina no dia 21 de agosto.

O voto em trânsito permite que o cidadão que esteja viajando, vote em municípios com mais de 200 mil eleitores, mas só para escolher o presidente da República. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), 92 cidades terão voto em trânsito no País, cinco no Paraná. A lista completa pode ser conferida no site do TSE. (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

Enio Verri, em sua coluna desta terça, capitaliza o sucesso de público e crítica da Copa no Brasil; segundo ele, sonho do hexacampeonato caiu pelo talentoso e organizado futebol alemão, mas ninguém tira dos brasileiros o posto de melhor Copa do Mundo de todos os tempos; “Fora de campo goleamos os pessimistas de plantão”, comemora o colunista ao destacar que campeonato injetou R$ 30 bilhões na economia brasileira; “A previsão catastrófica do mundial não passou do desejo daqueles que não acreditam no Brasil”, observa, por isso, diz o general petista, “que venha a Olimpíada no Rio de Janeiro em 2016”; leia o texto e compartilhe.

Enio Verri, em sua coluna desta terça, capitaliza o sucesso de público e crítica da Copa no Brasil; segundo ele, sonho do hexacampeonato caiu pelo talentoso e organizado futebol alemão, mas ninguém tira dos brasileiros o posto de melhor Copa do Mundo de todos os tempos; “Fora de campo goleamos os pessimistas de plantão”, comemora o colunista ao destacar que campeonato injetou R$ 30 bilhões na economia brasileira; “A previsão catastrófica do mundial não passou do desejo daqueles que não acreditam no Brasil”, observa, por isso, diz o general petista, “que venha a Olimpíada no Rio de Janeiro em 2016”; leia o texto e compartilhe.

Enio Verri*

É Campeão! É Campeão! O sonho do hexacampeonato caiu pelo talentoso e organizado futebol alemão, mas ninguém tira dos brasileiros o posto de melhor Copa do Mundo de todos os tempos.

A Copa das Copas conquistou jornalistas, turistas e amantes do futebol. Segundo pesquisa realizada entre 117 jornalistas estrangeiros, o Brasil tomou o posto da Alemanha e conquistou o título de melhor Copa do Mundo. Entre os leitores da BBC Sports, o mundial foi um sucesso.

Dentro e fora dos gramados gritamos o que é ser brasileiro! A calorosa receptividade do nosso povo ganhou todos os turistas que se sentiram em casa. Todos em um só ritmo recebemos elogios e deixamos saudades às seleções e amigos estrangeiros que por aqui passaram nos 31 dias de copa.

Fora de campo goleamos os pessimistas de plantão. A Copa das Copas – segundo estimativa da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) – injetará R$ 30 bilhões na economia, o equivalente a 0,6 % do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro.

A previsão catastrófica do mundial não passou do desejo daqueles que não acreditam no Brasil. Os aeroportos funcionaram a mil maravilhas, a mobilidade urbana não teve grandes problemas, a segurança pública foi quase perfeita e ainda desmanchamos uma quadrilha internacional de venda de ingresso ilegal que atuava desde 2002, na Copa da Coréia e Japão.

Confirmamos a três bilhões de espectadores que assistiram a Copa das Copas em seus países e aos 700 mil turistas que vieram acompanhar o mundial de perto que o Brasil é um País com lindas paisagens, povo caloroso e capacitado para sediar grandes eventos mundiais.

A Alemanha pode ter ficado com a taça de campeão. Mas as boas lembranças e os grandes investimentos em aeroportos e mobilidade urbana ninguém tira dos 200 milhões de brasileiros. Que venha a Olimpíada no Rio de Janeiro em 2016.

*Enio Verri é deputado estadual, presidente do PT do Paraná e professor licenciado do departamento de Economia da Universidade Estadual do Paraná. Escreve nas terças sobre poder e socialismo.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS
Charge de Tiago Recchia - Gazeta do Povo (PR).

Charge de Tiago Recchia – Gazeta do Povo (PR).

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

capa_folha_spJornais do Paraná

- Gazeta do Povo: Cai o número de novas empresas e cresce o de microempreendedores

- Bem Paraná: Número de acidentes fatais sobe dentro do trânsito urbano

- Jornal Metro: Votações no Senado atrasam campanha

- Jornal de Londrina: Decreto impede novos projetos na UEL este ano

- Folha de Londrina: Empresários e advogados representam 20% dos candidatos no Paraná

- O Diário (Maringá): Mais um corpo reforça suspeita de serial killer

- Diário dos Campos: AMTT quer definir manutenção de terminais para anunciar tarifa

- Jornal da Manhã: Professora é morta a facadas dentro de casa

- Tribuna do Interior: Rota do tráfico

- O Paraná: Estrangeiros recebem mais de mil multas na BR-277

- Gazeta do Paraná: Prometer é fácil, mas como vão cumprir?

- Jornal Hoje: Pontos de tráfico esvaziam após instalação de câmeras

- Gazeta do Iguaçu: Motoristas e cobradores suspendem a paralisação

- Diário do Noroeste: Número de procedimentos odontológicos mais que dobrou em um ano

- Tribuna de Cianorte: Número de acidentes diminui em cidades com maiores frotas

- Umuarama Ilustrado: Umuarama e região têm 20 candidatos a deputado

- Tribuna do Norte: Candidatos planejam gastar R$ 43,7 milhões

Jornais de outros estados

- Globo: Suspeito de chefiar a máfia de ingressos está em Bangu

- Folha: Copa no Brasil é aprovada por 83% dos estrangeiros

- Estadão: Putin busca Brics para influenciar vizinhos

- Correio: Brasil entre o fiasco da Seleção e o jogo eleitoral da Copa

- Valor: Governo troca exigências por receita no leilão de 4G

- Estado de Minas: Esquecida na Copa, Lei Seca vai voltar

- Zero Hora: Algemas no centro de uma polêmica

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

do Brasil 247

Texto do Instituto Teotonio Vilela (ITV), ligado ao partido, diz que governo petista quer "dar um jeito de virar a página da Copa do Mundo, decretando seu sucesso absoluto", na mesma velocidade em que a presidente Dilma Rousseff entregou ontem a taça ao capitão Philipp Lahm, da seleção alemã; segundo o partido, sucesso do evento se deve principalmente ao futebol, à "simpatia" dos brasileiros e à participação de diversas esferas de governo; "Querer atribuir-se senhor absoluto deste êxito, como tenta fazer o governo federal, é gol de mão"; tucanos apontam ainda "manadas de elefantes brancos", sobre estádios, e medidas de "improviso"; e questionam por que "tanto esforço para bem atender o público internacional durante 32 dias de festa e não exibir a mesma dedicação" aos 200 milhões de brasileiros.

Texto do Instituto Teotonio Vilela (ITV), ligado ao partido, diz que governo petista quer “dar um jeito de virar a página da Copa do Mundo, decretando seu sucesso absoluto”, na mesma velocidade em que a presidente Dilma Rousseff entregou ontem a taça ao capitão Philipp Lahm, da seleção alemã; segundo o partido, sucesso do evento se deve principalmente ao futebol, à “simpatia” dos brasileiros e à participação de diversas esferas de governo; “Querer atribuir-se senhor absoluto deste êxito, como tenta fazer o governo federal, é gol de mão”; tucanos apontam ainda “manadas de elefantes brancos”, sobre estádios, e medidas de “improviso”; e questionam por que “tanto esforço para bem atender o público internacional durante 32 dias de festa e não exibir a mesma dedicação” aos 200 milhões de brasileiros.

Em um balanço da Copa do Mundo, o PSDB publicou na tarde desta segunda-feira 14 um texto do Instituto Teotonio Vilela (ITV), ligado ao partido, que diz que a ‘Copa das Copas’, lema defendido pela presidente Dilma Rousseff, “não aconteceu”, e que agora o governo do PT quer “dar um jeito de virar a página da Copa do Mundo, decretando seu sucesso absoluto”, na mesma velocidade em que Dilma entregou a taça ao capitão Philipp Lahm, da seleção da Alemanha, neste domingo 13. (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

Nas redes sociais, corre solto o humor ácido dos internautas que não perdoam os políticos; fotomontagem que substitui rosto de Cida Borghetti pelo marido Ricardo Barros virou “meme”; no mundo virtual, o vice de fato de Beto Richa chama-se "Cido”.

Nas redes sociais, corre solto o humor ácido dos internautas que não perdoam os políticos; fotomontagem que substitui rosto de Cida Borghetti pelo marido Ricardo Barros virou “meme”; no mundo virtual, o vice de fato de Beto Richa chama-se “Cido”.

Virou “meme”, designação para fenômeno na internet, uma fotomontagem em que o rosto da vice na chapa do governador Beto Richa (PSDB), a deputada Cida Borghetti (PROS), é substituído pelo do marido Ricardo Barros (PP).

O internauta não perdoa mesmo os políticos, pois ele quis dizer com bom humor que o vice de fato do tucano será Barros.

Nas redes sociais, diz-se que “o vice de Richa se chama ‘Cido’” não ‘Cida’ Borghetti.

Haja criatividade.

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS

do Brasil 247

Em entrevista à emissora de TV árabe Al Jazeera, presidente Dilma Rousseff diz que deveria ser reeleita presidente em outubro por fazer parte de um projeto que promoveu uma revolução social no País; "Eu acredito que o povo brasileiro deve me dar oportunidade de um novo período de governo pelo fato de que nós fazemos parte de um projeto que transformou o Brasil", disse Dilma, citando números positivos sobre o País; segundo ela, um indicativo da evolução social foi a realização, com sucesso, da Copa do Mundo; presidente aproveitou para cutucar o ex-jogador Ronaldo: "Você sabe que tinha gente que dizia que estava envergonhado do país porque não teria condição de receber [o evento]".

Em entrevista à emissora de TV árabe Al Jazeera, presidente Dilma Rousseff diz que deveria ser reeleita presidente em outubro por fazer parte de um projeto que promoveu uma revolução social no País; “Eu acredito que o povo brasileiro deve me dar oportunidade de um novo período de governo pelo fato de que nós fazemos parte de um projeto que transformou o Brasil”, disse Dilma, citando números positivos sobre o País; segundo ela, um indicativo da evolução social foi a realização, com sucesso, da Copa do Mundo; presidente aproveitou para cutucar o ex-jogador Ronaldo: “Você sabe que tinha gente que dizia que estava envergonhado do país porque não teria condição de receber [o evento]“.

A presidente Dilma Rousseff pediu um “novo mandato” ao povo brasileiro em entrevista à TV árabe Al Jazeera, transmitida no final da manhã desta segunda-feira 14. Questionada sobre os motivos para que a população lhe desse mais quatro anos de governo nas eleições de outubro, Dilma respondeu: “Acredito que o povo brasileiro deve me dar uma oportunidade de um novo período de governo pelo fato de que nós fazemos parte de um projeto que transformou o Brasil”.

A presidente citou conquistas sociais durante o governo do PT. “O Brasil tinha 54% de sua população entre pobres e miseráveis em 2002. Hoje 75% da população brasileira vive na classe C para cima. É três em cada quatro brasileiros. Nós transformamos a vida dessas pessoas. O Brasil mudou de perfil e foi feito isso com a democracia vigente, com todos os direitos de expressão, manifestação e divergência”, afirmou. (mais…)

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS
Copyright © 2009 Blog do Esmael. Todos os direitos reservados.