Gleisi Hoffmann: Por um julgamento isento para Lula e para o povo

| 14 Comentários

A senadora Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do PT, denuncia nesta segunda-feira (17) a relação umbilical entre o juiz Sérgio Moro e a mídia a ponto de o magistrado usar reportagens da Globo como “provas documentais” para condenar Lula. A colunista mostra espanto com o momento escolhido para sentenciar o ex-presidente: um dia após a aprovação da reforma trabalhista.

Por um julgamento isento para Lula e para o povo

Gleisi Hoffmann*

É inegável que existe uma parceria afinada entre a Força Tarefa da Lava Jato e os meios de comunicação. Desde o início das investigações, está claro que essa aliança tem como principal alvo o Partido dos Trabalhadores e seu maior líder, o ex-presidente Lula. A condenação de Lula não causa espanto, sobretudo pelo modus operandi do juiz Sérgio Moro, que não ruborizou ao atropelar a Constituição Federal e fazer valer sua tese sem fundamento em torno da aquisição de um apartamento triplex no Guarujá. Mas o que causou espanto foi o momento escolhido pelo juiz de Curitiba para anunciar a sentença. Curiosamente, Moro condenou Lula um dia depois da aprovação da nefasta reforma trabalhista.

Repentinamente, as discussões sobre trabalho intermitente e horário de almoço negociado desapareceram do noticiário. E ninguém mais falou da ameaça de mães e gestantes amamentarem os filhos em locais insalubres, muito menos discutiu-se o fim da Justiça do Trabalho como a conhecemos atualmente. O que de fato sobressaiu nas tevês e jornais não foram as mudanças, que afetam grande parte da população, mas a saga de Lula. O power point bisonho elaborado pela Força Tarefa prevaleceu sobre o desmonte da CLT, desviando, ainda por cima, o foco sobre a votação do parecer que pedia o afastamento de Michel Temer.

Uma jogada de mestre, diria um especialista em marketing. Porém, estamos falando das ações de um juiz, a quem cabe garantir condições mínimas de defesa a um cidadão, seja lá quem ele for. Lula não está acima da lei, mas tampouco abaixo dela. Sua condenação na última quarta-feira apenas reforçou a perseguição política a que ele e sua família vêm sendo submetidos nos últimos anos, acossados por procuradores e um juiz parcial que estão mais interessados em servir aos interesses de grupos poderosos de mídia a cumprir com as tarefas que lhes foram delegadas. Sabe-se lá se apenas por vaidade, ou então outro motivo, mas a verdade é que o magistrado e seus auxiliares na acusação têm forte atração por holofotes.

A parceria entre a Justiça Federal de Curitiba e a mídia é tão umbilical que Moro usou reportagens do jornal “O Globo” como “provas documentais” para a condenação. Ao mesmo tempo, ignorou documentos apresentados pela defesa do ex-presidente, que demonstravam que a posse do apartamento nunca foi de Lula, uma vez que o imóvel estava vinculado à Caixa Econômica Federal desde 2009. É no mínimo curioso que uma matéria de jornal se sobreponha a um documento lavrado em cartório, ainda mais em caso de tamanha repercussão.

Se usarmos a mesma conduta que Moro dispensou a Lula, podemos dizer que o juiz de Curitiba é amigo íntimo de grandes figuras golpistas da história recente do Brasil. Afinal, é de conhecimento público a foto em que ele aparece sorrindo e confraternizando ao lado de Michel Temer, Aécio Neves, Geraldo Alckmin e José Serra – todos, coincidentemente, investigados pela Lava Jato, mas vergonhosamente poupados de condenações. Nesse contexto, também podemos afirmar que Moro é um amigo íntimo do prefeito de São Paulo, João Dória, o garoto-propaganda das elites escalado para propagar o ódio contra Lula e o PT.

Moro não é obrigado a gostar de petistas, muito menos deve se abster das amizades que tem. Mas deveria, por obrigação do ofício, desvincular-se das preferências pessoais e se pautar pelo devido processo legal na hora de tomar suas decisões, ainda mais quando está a julgar um ex-presidente da República reconhecido mundialmente pelo combate à fome e à pobreza num país historicamente marcado pelas desigualdades sociais. Se Moro e seus amigos, sejam eles do Judiciário ou da mídia, entendem que o projeto de Lula não é o melhor para o País, não tem problema. É um direito de todos. Mas poderiam arrumar desde já um candidato e começar a fazer campanha para que ele seja eleito em 2018.

Justiça não é arena para disputa política. E a repercussão advinda de processos não pode ser utilizada como uma cortina de fumaça para proteger os interesses de amigos. Moro condenou Lula para desviar o foco de assuntos espinhosos como a reforma trabalhista e o escrutínio público contra Temer? Não temos provas, embora tenhamos, como aprendemos com Moro, a convicção que sim. Ocorre que no estado democrático de direito, ter convicção é insuficiente sequer para a elaboração de um caprichado power point.

Esperamos que depois de todo esse oba-oba em torno das acusações contra Lula, que não seja mais a convicção, e sim os fatos, a guiarem nossos magistrados. E que, afinal, haja um julgamento digno, e seja feita justiça no Tribunal Regional Federal da 4ª Região.

*Gleisi Hoffmann é senadora e presidenta nacional do PT.

14 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Gosta de saber moleque cadeia em quem?É nos amigos itimos de Moro??? Francamente como tu és imbecil.

  2. Segundo a visão deles qqr coisa q não for absolvição será injusto e perseguição

  3. BOM: RECEBI DE UM DEPUTADO DA CAMPANHA 342

    RESPOSTA DE UM DEPUTADO FEDERAL SOBRE A CAMPANHA 342:
    Acesse http://342agora.org.br e mande seu recado pelo #ForaTemer!

    “Olá,
    Nós já estamos na campanha “Fora, Maia!” O governo Temer tem de cair e vai cair. Eu votarei pelo seu afastamento, bandeira que levantamos desde o primeiro dia do golpe, porque considero esse governo ilegítimo. As graves provas de corrupção cometidas por Temer são a ilustração de tudo aquilo que denunciamos por meses.
    Juntos conosco, da esquerda, a direita também votará para afastar Temer. Mas o motivo deles é outro: é o golpe dentro do golpe, a perspectiva de assumir o poder diretamente, sem intermediários. Querem chegar ao poder pela eleição indireta, que nós repugnamos. O boneco da vez dos interesses do capital financeiro é Rodrigo Maia, que sequer teve 3% de votos na disputa para prefeitura do Rio e se elegeu deputado com pouco mais de 50 mil votos. É um símbolo da falta de representatividade popular.
    Queremos o afastamento de Temer, mas queremos eleições diretas gerais já. Defendo a antecipação das eleições de 2018, encurtando o mandato dos atuais deputados e governadores. O Brasil não aguentará mais um ano de governo ilegítimo empurrando goela abaixo uma pauta de retirada de direitos tão nociva aos trabalhadores.
    Vamos à luta!”

  4. A Amante segue cumprindo seu papel.
    Alguém espera que ela se manifeste de outra forma? Se grudaram em uma tese e vão assim até o final.

  5. Conversa mole. É cana para o corrupto mentiroso. Entraram em desespero porque estão vendo que irão ficar de fora em 2018. Não conseguiram eleger nenhum prefeito nas principais capitais brasileiras. Dória derrotou o Haddad no primeiro turno em São Paulo. Lula não conseguiu reeleger nem o próprio filho a vereador em São Bernardo do campo. Circulou no aeroporto abaixo de coro de “Lula ladrão teu lugar é na prisão!”.
    Aos poucos a quadrilha vai sendo desmantelada.

    Viva a Lava Jato.

  6. Não foi Contra a Dilma, Não é contra o Lula, É CONTRA O POVO BRASILEIRO Toda essa Perseguição.

  7. Podem ESQUECER…

    Essa disputa é POLÍTICA e não JURÍDICA

    Desde de antes do INÍCIO do Processo, LULA já está CONDENADO pelo TRF 4.

    Absolvição do VACARI em um dos Processos foi só cortina de fumaça,tom de Imparcialidade. Tanto é q continua PRESO e será condenado no próximo.

    Enquanto PT não entender q essa LUTA é Totalmente Política, vai ficar patinando e sendo MASSACRADO.

    Melhor defesa é o ATAQUE, ou sai batendo muito forte ou continua apanhando até A MORTE!

  8. Todo bandido quer CLEMÊNCIA cadeia nele moro.

  9. Vemos diuturnamente tentar julgar politicamente ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (Lula) homem político limpo e honesto goza de toda confiança e credito da grande maioria dos brasileiro. Vemos sim uma minoria “invejosa politiqueira endinheirada” tentar denegrir este homem estadista ímpar Lula mas os brasileiros estão com Lula.

Deixe uma resposta

Preenchimento obrigatório *.