Blog do Esmael Uma semana após "romper", Michel Temer mantém cargos no governo | Blog do Esmael Uma semana após "romper", Michel Temer mantém cargos no governo | Blog do Esmael

Uma semana após “romper”, Michel Temer mantém cargos no governo

Palavra de ordem do vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer, pela entrega imediata dos cargos que dispunha em nome do golpe contra Dilma Rousseff não foi cumprida por ele próprio uma semana após anúncio do “rompimento”; dirigente peemedebista mantém intactos cargos comissionados no governo federal, dentre os quais, o mais emblemático, é o caso do assessor da Vice-Presidência, Rodrigo Rocha Loures, uma espécie de "sombra" do capitão do golpe; Rocha Loures era um dos mais entusiasmados na reunião de 29 de março, que definiu pela entrega dos cargos ocupados pelo PMDB, entretanto, segundo o Portal da Transparência, ele continua lotado em função comissionada (sem concurso) no Palácio do Planalto; bravata do vice Michel Temer pegou muito mal entre a opinião pública, a frente política, e entre seus correligionários; presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), considerou a reunião do rompimento “precipitação” e “burrice”.

Palavra de ordem do vice-presidente da República e presidente nacional do PMDB, Michel Temer, pela entrega imediata dos cargos que dispunha em nome do golpe contra Dilma Rousseff não foi cumprida por ele próprio uma semana após anúncio do “rompimento”; dirigente peemedebista mantém intactos cargos comissionados no governo federal, dentre os quais, o mais emblemático, é o caso do assessor da Vice-Presidência, Rodrigo Rocha Loures, uma espécie de “sombra” do capitão do golpe; Rocha Loures era um dos mais entusiasmados na reunião de 29 de março, que definiu pela entrega dos cargos ocupados pelo PMDB, entretanto, segundo o Portal da Transparência, ele continua lotado em função comissionada (sem concurso) no Palácio do Planalto; bravata do vice Michel Temer pegou muito mal entre a opinião pública, a frente política, e entre seus correligionários; presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), considerou a reunião do rompimento “precipitação” e “burrice”.

A reunião de três minutos do diretório nacional do PMDB, que decidiu pelo “rompimento” com o governo federal, na semana passada, cada vez mais se consolida como uma farsa.

A palavra de ordem do vice-presidente da República e presidente da legenda, Michel Temer, pela entrega imediata dos cargos que dispunha em nome do golpe contra Dilma Rousseff.

Qual o quê! Quase uma semana depois, Temer mantém intactos cargos comissionados no governo federal. Talvez o mais emblemático seja o caso do assessor da Vice-Presidência, Rodrigo Rocha Loures, uma espécie de “sombra” do capitão do golpe.

Rocha Loures era um dos mais entusiasmados na reunião de 29 de março, que definiu pela entrega dos cargos ocupados pelo PMDB. Entretanto, segundo o Portal da Transparência, ele continua lotado em função comissionada (sem concurso) no Palácio do Planalto.

Portanto, a bravata do vice Michel Temer pegou muito mal entre a opinião pública, a frente política, e entre seus correligionários. Para usar uma expressão do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), foi “burrice”.

2 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Um cara que dobrou com ratinhojr na eleição de 2014 não se pode esperar outra coisa.

  2. Pilantra, vagabundo, traíra, pessoa sem caráter. Só faz comprovar que não vale o que o gatinho enterra. Aliás, tô pra ver algum do PMDB que valha alguma coisa. Ao menos, o pessoal do PP a gente sabe que não tem um que preste. Do PTB também sabemos que é tudo tranca. Do PMDB eu duvidava de um ou dois … mas parece que tá difícil a coisa.