Você está aqui: Home // Notícias // Marcha das Vadias: Elas ficaram nuas, mas estão cobertas de razão

Marcha das Vadias: Elas ficaram nuas, mas estão cobertas de razão

15 jul 2012 - 16:41 12 Comentários

* Veja também seis vídeos gravados na passeata

Marcha das Vadias reuniu 2 mil pessoas em Curitiba. Fotos: Blog do Esmael.

O que eu vi e vou escrever abaixo nada tem a ver com sexo. Muito pelo contrário. É sobre a violência contra as mulheres, o machismo e a hipocrisia da sociedade.

A exemplo do ano passado, eu participei ontem da Marcha das Vadias desde a concentração, no Passeio Público, até o encerramento na Boca Maldita. O meu blog é um incentivador da luta pela igualdade de gênero e por políticas públicas para as mulheres e minorias esquecidas pelo Estado.

Quero recordar uma fala de um dos ativistas no evento: “Essa sociedade hipócrita que discrimina e mata gays, travestis e prostitutas é a mesma que utiliza de seus serviços na calada da noite”.

O protesto de ontem nada teve a ver com sexo, repito. Houve nudez de moças e moços que lutam por uma causa muito justa. Eles têm razão no que reivindicam.

Diferente do que pensava o dramaturgo conservador Nelson Rodrigues, ao dizer que toda nudez seria castigada, acho que ela precisa ser louvada, elogiada, enaltecida, incentivada em contraponto ao falso moralismo.

Nesta segunda edição, cerca de 2 mil pessoas compareceram na manifestação. Esse movimento veio para ficar no calendário da capital paranaense e do Brasil. Então, comecemos a preparar a terceira Marcha das Vadias.

Seguem seis vídeos do evento:

Compartilhe esta informação
  • Print
  • Facebook
  • Twitter
  • Google Bookmarks
  • email
  • Live
  • PDF
  • RSS



12 Comentários para " Marcha das Vadias: Elas ficaram nuas, mas estão cobertas de razão "

  1. contraponto disse:

    curitiba estava radiante!

  2. MARCELO SANTANA disse:

    estava lá as mulheres são corajosas.

  3. José do Pito Jr. disse:

    No Centro Cívico dá pra fazer, fácil, fácil a marcha dos vadios.

  4. [...] censores do Facebook viajam na maionese. O protesto de sábado nada teve a ver com sexo. Teve, sim, a respeito da violência contra as mulheres, do ódio racial e étnico, do preconceito, [...]

  5. Ines Aparecida Mello Sobutka disse:

    Parabéns a essas mulheres corajosas e guerreiras e a todos que prestigiaram a marcha aí em Curitiba.É um movimento singular e que merece nosso respeito.

  6. Parreiras Rodrigues disse:

    É, aqui em Santa Isabel do Ivai, década de 60, século passado, um camarada tentou montar uma “zona” mas foi impedido por hipócritas, fariseus e puritanos (falsos, claro). Eles tinham condições – dinheiro e jeep, para irem às “zonas” de Paranavai – casa da Terezona, ou em Londrina, na Diana, ou mesmo Curitiba, na Otília, etc e tal.
    Nêgo (e branco também) tinham que se virar na munheca, no cinco contra um.

  7. edson disse:

    Macha das vadias.
    As mulheres vão para suas de Curitiba, para fazer protesto contra o machismo, não Brasil não existe Maximo, por nos dias de hoje a mulher tem toda proteção legal perante as leis.
    Agora um grupo de mulheres irem para ruas comuns peitos amostra, isso sim é crime de assedio moral, das pessoas que ali passam.
    Nós dias de hoje com evolução da internet, temos vário site, de mulheres vendendo o seu corpo, depois fazem protesto dizendo que não mercadoria.
    Vender o próprio corpo é o que, ganhar dinheiro fácil.
    Este grupo de mulheres precisa conhecer melhor a Lei Maria da Penha.

    • fernanda disse:

      Conhecemos muito bem a Lei Maria da Penha, Edson.
      Tão bem que sabemos que não funciona. 12 mulheres morrem por dia no Brasil, vítimas de seus companheiros, de pessoas que elas confiam. Não temos ‘toda a proteção legal perante as leis” e é um tanto quanto ingenuo imaginar algo assim.
      E mesmo que a lei funcionasse, Edson, mesmo que houvesse mais de uma única casa abrigo em Curitiba. Mesmo assim muitas das faces do machismo e da misoginia não são enquadradas em lei.
      A marcha clama por políticas públicas para as mulheres sim, mas também tem como o objetivo o questionamento da sociedade. Eu não espero que o Estado resolva todas essas questões num âmbito legal. Eu espero que a mentalidade da sociedade mude, é por isso que eu marcho, é por isso que eu ajudo na organização da marcha.
      Assédio moral não é isso, Edson… hehe
      talvez atentado violento ao pudor? é isso?
      Homem sem camisa pode ser preso por atentado violento ao pudor?

      Essas mulheres protestam pela autonomia de seus corpos, corpos que são vendidos diariamente pela publicidade.
      Acontece de mulheres amamentando serem retiradas de shoppings e outros lugares por esse mesmo viés de pudor, mas e ai, o seio amamentando é atentado? é mostrado de maneira sexual?
      e o seio que protesta? é sexual?
      Na propaganda, no carnaval pode… no protesto não?
      Ou seria pq algumas das manifestantes não estão dentro de um padrão de beleza?

      Vender o corpo é ganhar dinheiro fácil? Nunca me atreveria a dizer que é FÁCIL.

  8. Ana Flávia Gabardo disse:

    Sinto muito pelo companheiro Edson que acha que no Brasil o machismo não existe mais. Existe sim, Edson, fomos protestar por causa disso, porque vivemos no terceiro estado no ranking nacional de violência contra a mulher. Com todo o material bacana dessa postagem você ainda não se convenceu? Cuidado, seja mais atencioso ao movimento, ele é sim importante.

    Obrigada ao autor da postagem e ao blog do Esmael que nos dá tanto apoio. Parabéns.

  9. Jussara disse:

    Edson, você é burro ou ingênuo?

  10. salomão disse:

    Se eu fosse politico, mandava prender todas , isso é um ataque ao pudor! oque os Homens não merecem o minimo de respeito ? e as Crianças , oque é isto meu deus , eu vejo uma mulher gritando “Não é mercadoria” e seus peitos de fora balançando pra todos verem , é mercadoria então né ! Mulheres idiotas e ignorantes , eu espero que esta mulher não seja estuprada pelas ruas depois

Deixe um comentário

Copyright © 2009 Blog do Esmael. Todos os direitos reservados.
(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});
2