Blog do Esmael PCdoB de Londrina prepara saída do governo Barbosa Neto | Blog do Esmael PCdoB de Londrina prepara saída do governo Barbosa Neto | Blog do Esmael

PCdoB de Londrina prepara saída do governo Barbosa Neto

Chico Brasileiro descarta continuidade do PCdoB na administração Barbosa Neto.

O diretório estadual do PCdoB debaterá no próximo dia 6 de agosto, em Curitiba, a saída do partido da administração da prefeitura de Londrina.

A legenda vermelha analisa que não é mais possível permanecer na gestão do prefeito Homero Barbosa Neto (PDT), que enfrenta oito procedimentos de investigação da Câmara e do Ministério Público sobre supostas irregularidades.

O presidente estadual do PCdoB, Chico Brasileiro, afirmou ao blog que a situação em Londrina é caótica e que o partido não pretende ser sócio de esquemas da gestão local.

Márcio Sanches, presidente da agremiação londrinense, concorda com Brasileiro. Para ele, o PCdoB nem deveria ter entrado na administração atual.

“O nosso partido não concorda com nenhum desvio de conduta, não compactua nem vai sustentar essa onda de denúncias contra Barbosa Neto”, disse Sanches, ao informar que vai solicitar a inclusão do tema na reunião do dia 6.

O PCdoB participa da administração londrinense com três cargos: assessoria de comunicação, Casa dos Conselhos e presidência da ASK (empresa vinculada a Sercomtel).

3 Comentários

Os comentários não representam a opinião do Blog do Esmael; a responsabilidade é do autor da mensagem, sujeito à legislação brasileira.

  1. Não acoredito que o PC do B, deixe-se levar por “onda de denúncias”.

    Quando uma administração democrática e popular se instala – como é o caso da administração Barbosa Neto, e da qual o PC do B faz parte – sabemos muito bem de onde vêm “onda de denúncias”.

    Sabemos também que se trata de matar no nascedouro o que os conservadores tanto temem: ADMINISTRAÇÃO DEMOCRÁTICA E POPULAR.

    Se vitoriosa a administração democrática e popular de Barbosa Neto, será uma pá de cal nas forças conservadoras.

    PC do B, sabe do que estou falando.

    Juntos administramos Embu das Artes/SP, de 82/88, e lá faziam parte do governo o PC do B.

    Da valorosa guerreira Conchita (então secretária de Promoção Social), partiu a sugestão e pela administração encampada para que nos levantássemos contra “onda de denúncias”, ou o que seria sepultada, seria a exitosa e pioneira ADMINISTRAÇÃO DEMOCRÁTICA E POPULAR.

    PC do B sabe muito bem do que estou falando.

    Nivaldo Orlandi, ex-prefeito de Embu das Artes/SP

  2. Caro Esmael, a sua nota é gasolina para explodir o debate que ocorre no PCdoB em Londrina e quer atingir o Comitê Estadual. É parte da estratégia de quem está perdendo na discussão e quer virar o jogo.

    Você e seu informante esqueceram de dizer que a Comissão Política do PCdoB em Londrina decidiu, após três reuniões no mês de junho e início de julho, mas precisamente no dia 3, a manutenção no governo Barbosa Neto e o debate do projeto eleitoral 2012 com o prefeito.

    É lógico que o debate não cessou e os espíritos dos camaradas londrinenses é fazê-lo com a franqueza que é necessária, dentro da ética e lealdade partidária. Terá ainda o Comitê Municipal, Direção Estadual e a própria Conferência Municipal. Vamos a luta!

    Saudações.

    José Otávio
    Secretário de Organização do PCdoB em Londrina

  3. Acho que o título não reflete adequadamente a declaração de Mário Sanches, presidente do PCdoB de Londrina: “O nosso partido não concorda com nenhum desvio de conduta, não compactua nem vai sustentar essa onda de denúncias contra Barbosa Neto”.

    Nem o prefeito concorda com desvio de conduta e por isto apóia toda e qualquer investigação, doa a quem doer, contrapondo-se a “essa onda de denúncias” que intentam contra ele e, portanto, também não compactua com isto.

    Agora, convenhamos Esmael, se o PCdoB desembarcar mesmo da administração de Londrina motivado por denúncias de irregularidades por que, então, passou calado nos oito anos de “corruptabilidade” dos governos lulistas? (cujo gestor público, diferente do londrinense, deixou rolar a corrupção alegando temer pelo risco de governabilidade)