A charge do dia: A morte de Itamar Franco

Charge de Mariosan, n'O Popular (GO).

  • Ricardo

    Caro Emerson Palhares, discordo do seu ponto de vista sobre o Fusca, tenho um ano 73, também azul como o seu e é meu carro do dia a dia, ele tem placa preta e mantém todas as características originais. Já recusei R$ 30 mil nele e não me arrependo, nem o troco por qualquer carro de plástico que temos hoje em dia. Viva o FUSCA!!!

    • palhares

      caro Ricardo, obrigado pelo comentário respeitoso acima de tudo, como o meu era 67, e ainda saia com 6volts, diziam que realmente não foi uma produção de sucesso, apos o ano de 1968 ja com sistema 12 volts diziam que melhorou muito! Tambem tive um 76, que andava como um canhão, tinha um motor muito forte, mas como ele abria as portas nas curvas quase jogando a familia pra fora fui obrigado a vender! parabens por cuidar de sua maquina com carinho! Brasileiro é apaixonado por carro! detalhe…. depois que vendi o meu pela Razão de 800,00 reais em 2003, o comprador comprou, deu um famoso banhão de tinta, colocou aquelas “banda” branca no pneu, fez um jogo de banco “do tipo” e vendeu por 6.000, e ainda riu da minha cara! mas é assim mesmo, o primeiro Fusca a gente nunca esqueçe!

      Que Deus te abençoe grandemente!

  • Palhares

    Um homem que se coloca a disposição de uma nação merece o melhor respeito sempre!
    Agora quanto ao Fusca, foi o 1° carro que tive!
    “meu fusca nunca me deixou, eu que deixei ele algumas vezes encostado em algum lugar”!
    meu Fusca só me deu “duas” alegria, uma quando comprei e outra quando vendi!
    Tratava-se de um “Fusquinha Azul”, ano 67 motor 1.300, segundo os mecanicos era o 1° fusca 1.300 porem ainda saia com o famoso 6 volts, era simplismente horrivel, se coloca-se bateria forte, o tal do Dinamo não carregava, se coloca-se uma bateria de menor voltagem, ai era a bateria que ficava fraca, porque o ” tal do dinamo”, só carrega na alta, isto quando aquela tampinha do filtro não caia em cima do Dinamo, e ai lascava tudo de uma vez! hoje me recordo com alegria, de uma vez que o Azulão estragou na BR, proximo do Viaduto do Boqueirão , que na verdade fica no Hauer ou Parolim, sei lá hj linha verde, parou um “senhor muito abençoado e me fez uma “chupeta”, nao era! ai ele mecheu “lá tras” (do motor) e tirou uma peçinha, chamada de “carvão” e fez uma gambiarra! pediu para mim arrumar uma pilha e mais tarde descobri que aquela peçinha chamava-se “distribuidor, e tiramos o carvão da pilha , colocamos ali no Distribuidor, bati na chave e para minha surpresa “vrum, vrum, vrum, o fusquinha saiu, parecia ate andar mais, na verdade foi o dia em que tive certeza que com um pouco de apetrechos , tais como um prego, um rolo de arame e um bom alicate , qualquer pessoa de boa vontade arrumava o Fusquinha! aprendi muito com o fusca e hoje em dia, não passo aperto com carro, se der um problema, sinalizo o local e peço a Deus me mandar um outro anjo! que apartir de Hoje o Sro. itamar Franco seja chamado o anjo do “fusca” que Deus receba esta alma, que acima de tudo era um “patriota”!
    Só mais uma coisa, nunca descobri onde fica aquela famosa peça’Repimboca da parafuseta” por muito tempo procurei, e não descobri,rsrs! bom final de semana a todos! Emerson Palhares o vereador sem mandato!

  • José Andrade

    A data de falecimento não tá errada?