Marinha ordenou a morte de militantes no Araguaia em 1972

da Folha de S. Paulo

Clique na imagem para aumentar.

Documentos escritos pelo Comando da Marinha revelam que havia a determinação prévia de matar os integrantes da Guerrilha do Araguaia, e não apenas derrotar o maior foco da luta armada contra a ditadura militar.

Os papéis, de setembro de 1972, relatam a preparação da Operação Papagaio, uma das principais ofensivas das Forças Armadas contra o grupo criado pelo PCdoB entre Pará, Maranhão e a região norte de Goiás, que hoje é o Estado do Tocantins.

A documentação a que a Folha teve acesso faz parte do acervo da Câmara dos Deputados. Era confidencial até 2010, mas foi liberado para consulta pública.

“A FFE [Força dos Fuzileiros da Esquadra] empenhará um grupamento operativo na região entre Marabá e Araguaína para, em ação conjunta com as demais forças amigas, eliminar os terroristas que atuam naquela região”, afirmam duas “diretivas de planejamento”.

Uma delas é assinada por Edmundo Drummond Bittencourt, comandante-geral do Corpo de Fuzileiros Navais. A outra foi escrita pelo contra-almirante Paulo Gonçalves Paiva. Nas duas, a ordem de “eliminar” os guerrilheiros surge no item “conceito das operações”.

Os textos também dizem que seriam feitas ações para “impedir os terroristas que atuam na margem daquele rio de transporem-no para a margem leste, eliminando-os ou aprisionando-os”.

A oposição entre “eliminar” e “aprisionar” confirma que o primeiro se refere à  morte dos militantes, disse o historiador Jean Rodrigues Sales, autor de “A Luta Armada Contra a Ditadura Militar” (ed. Perseu Abramo).

“No episódio de repressão à  militância armada, a política deliberada de assassinatos jamais foi admitida de forma oficial”, disse Sales.

Segundo Criméia Schmidt de Almeida, ex-guerrilheira e estudiosa do conflito, “realmente [ainda] não havia registro disso [determinação prévia para matar]”.

Relatório do Exército de 1974, quando quase todos os militantes do PCdoB na região haviam sido mortos, fala na “eliminação” das “forças guerrilheiras”, mas não de seus integrantes.

Para Taís Morais, coautora com Eumano Silva de “Operação Araguaia” (Geração Editorial), “militar não escreve ordem que não deve ser cumprida”.

As “diretivas” corroboram relatos de testemunhas do conflito, segundo as quais, nos anos seguintes, comunistas foram mortos mesmo depois de serem presos.

Em um dos papéis a que a Folha teve acesso, a Marinha fala em oito guerrilheiros mortos “em combate” durante a Operação Papagaio -argumento que sempre foi usado pelas Forças Armadas para justificar mortes de resistentes na região.

Ainda não foi produzida uma narrativa oficial sobre a luta armada durante a ditadura -um dos objetivos da Comissão da Verdade, que o governo quer instituir.

Procurado na terça-feira, o Ministério da Defesa afirmou que, por não ter tempo de encontrar os documentos, não os comentaria.

Câmara tornou públicos 175 documentos

A Câmara dos Deputados tornou públicos 175 documentos carimbados como sigilosos desde 1952. A maior parte desse material se refere ao período da ditadura militar. São principalmente respostas do governo a informações pedidas por deputados na época.

As 34 últimas desclassificações foram publicadas no “Diário Oficial da União” em março, e 141 ocorreram em fevereiro de 2010.

A análise do que deve ou não se tornar público é feita por três deputados e técnicos. Os congressistas são trocados a cada dois anos.

A primeira equipe para a análise da documentação sigilosa foi formada no ano de 1885. Desde aquela época, o mesmo ocorreu em apenas outras quatro ocasiões: 1984, 1989, 2003 e 2009.

Qualquer pessoa pode ter acesso ao material, que fica disponível para consulta na biblioteca da Câmara.

Comentários encerrados.